X

Notícias

A cidade californiana que tem quase mil mortos para cada vivo

Bizarro, Entretenimento
-
03/10/2016 10:47

Conheça a cidade que tem 1,5 milhões de mortos e apenas 1.500 habitantes

Legenda da foto

Quando pensamos na Califórnia, logo vem à nossa mente um lugar com um extenso litoral, onde o sol brilha intensamente durante todo o ano. Uma região que abriga metrópoles como Los Angeles e São Francisco, além do Vale do Silício e, claro, Hollywood. O que poucos sabem é que é californiana uma cidade onde “descansam em paz” mais mortos do que residem habitantes vivos.

Sim, em Colma, essa cidade “sui generis”, vivem 1.700 pessoas, ao passo que os cemitérios locais abrigam 1,5 milhão de mortos! Isso mesmo, você não leu errado: há quase mil pessoas enterradas para cada morador na pequena cidade californiana.

A proporção mortos/vivos na cidade, de fato, é incomum e salta aos olhos de qualquer um. Mas o que explica isso?

Senta que lá vem história…

Para começar, é preciso deixar claro que a grande maioria dos mortos que “habitam” os cemitérios de Colma jamais puserem, em vida, os pés na localidade, tendo nascido, vivido e morrido na vizinha São Francisco. Mas então por que não foram enterrados também lá? Explicamos.

No começo do século 20, São Francisco era uma cidade assolada pela morte. Durante a chamada “corrida pelo ouro”, garimpeiros, comerciantes e imigrantes de todo o mundo se fixaram na cidade buscando uma vida melhor. Junto com eles, no entanto, vieram doenças que, somadas à condição precária de trabalho nas minas, fizeram com que os 27 cemitérios locais ficassem abarrotados de mortos.

Além da questão sanitária, que era uma dor de cabeça permanente para a população, o grande número de cemitérios na cidade também esbarrava na questão imobiliária, já que enormes áreas que poderiam ser ocupadas por novas habitações estavam sendo destinada à moradia de cadáveres.

Sem espaço para os mortos

Assim, em 1902, o poder local proibiu novos sepultamentos na cidade, removendo enormes cemitérios, com todos seus defuntos, para as localidades vizinhas.

Depois de décadas de luta pelo direito de enterrar os mortos na metrópole californiana, em 1942 restaram, então, na cidade apenas dois cemitérios, o Cemitério Nacional de San Francisco e o Cemitério Mission Dolores, que ainda permanecem lá, ainda que não aceitem novos “moradores”.

De cara, mais de 150 mil corpos foram transferidos de San Francisco para a cidade de Colma, em uma enorme necrópole criada no local onde antes se plantavam batatas. A cidade, de lá para cá, pouco cresceu, ao contrário da população de mortos, que subiu exponencialmente.

Hoje, ganha fama a cidadela que tem mil mortos para cada vivo.

UOL/ Fronteira Online