X

Notícias

A nove rodadas do fim, mudança de técnico é última cartada da Chape pela permanência

Esportes
-
16/10/2018 11:41

Clube busca injeção de ânimo na reta final do Campeonato Brasileiro

Foto: Sirli Freitas/Chapecoense
Legenda da foto

A Chapecoense demitiu Guto Ferreira após a derrota para o Vitória, no último domingo, por 1 a 0. É a última cartada da diretoria para manter o clube na elite do futebol nacional. A nove rodadas do término da competição, a estratégia é motivar o elenco em busca da permanência.

Não é a primeira vez que a estratégia usada é a troca no comando. Em 2017, Gilson Kleina foi contratado na reta final do torneio e levou o time até a Pré-Libertadores. Naquela ocasião, no entanto, o Verdão não estava no Z-4, embora estivesse próximo.

Na matemática simples, cinco vitórias seriam suficientes para manter o time na Série A. Na prática, a meta é longe do que a Chape parece conseguir. Em todo o campeonato, conquistou sete triunfos. Sob o comando de Guto Ferreira no Brasileirão, apenas três.

TIME ABATIDO
É nítido que a Chapecoense sofre com um problema de confiança. Para remediar a situação, o clube contratou o coach Hermes Balbino para melhorar o moral do elenco. Até funcionou por um período, mas derrotas para concorrentes diretos foram suficientes para minar novamente o psicológico dos atletas.

Internamente, Guto não era unanimidade entre os jogadores. O afastamento de Wellington Paulista e algumas decisões, como a escalação de Wesley Natã, “que furou a fila” contra o Flu e foi titular, serviram para desgastar a relação entre grupo e comandante. Não que tenha existido falta de empenho, mas o relacionamento é fundamental para instigar ânimo.

Diante do Vitória, Victor Andrade, titular até pouco tempo, não foi relacionado. A explicação, segundo Guto Ferreira, era com relação ao comportamento, mas o comandante afirmou que não era o momento de falar mais sobre o tema.

Por isso, o perfil do comandante pretendido pela Chape, é de alguém que consiga mobilizar os jogadores na reta final da competição. Na avaliação interna, o elenco é qualificado para buscar a manutenção, mas precisa de uma reação anímica.

Globo Esporte