X

Notícias

Advogado diz que preso pela PF no RJ é suspeito de ligação com terrorismo

Notícias, Policial
-
28/07/2016 10:23
Legenda da foto

Pedido de prisão foi feito por conta de posts em redes sociais, diz advogado. Operação antiterrorismo na semana passada prendeu 12 em oito estados

A Polícia Federal prendeu Chaer Kalaun, de 28 anos, por suspeita de ligação com grupos terroristas, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, nesta quarta-feira, 27. Segundo o advogado dele, a prisão temporária foi decretada por um juiz federal por causa de algumas postagens que ele fez em redes sociais. A defesa nega que ele tenha ligação com atos terroristas.

Kalaun é brasileiro e tem descendência libanesa. Na infância, ele chegou a morar alguns anos com a avó no Líbano.

Operação Hashtag
No último dia 21 de julho, a chamada “Operação Hashtag” foi lançada pela Polícia Federal, resultando na prisão de 12 pessoas em 8 estados.

Foram 10 mandados de prisão cumpridos em 7 estados na quinta-feira e as demais prisões ocorreram em Mato Grosso. Na sexta-feira, 22, o penúltimo foragido se entregou à PF na cidade de Vila Bela da Santíssima Trindade, e no domingo, 24, o último suspeito foi localizado pela Polícia Militar de MT em Comodoro.

Todos os presos na operação da PF estão presos no presídio federal de Campo Grande, em Mato Grosso do Sul. A detenção é considerada de segurança máxima, e abriga presos perigosos, como o traficante Fernandinho Beira-Mar.

Foram as primeiras prisões no Brasil com base na recente lei antiterrorismo, sancionada em março pela presidente afastada, Dilma Rousseff.

Também foram as primeiras detenções por suspeita de ligação com o grupo terrorista Estado Islâmico, que atua no Oriente Médio, mas tem cometido atentados em várias partes do mundo.

Além das prisões, foram cumpridos 19 mandados de busca e apreensão em dez estados – São Paulo (8); Goiás (2); Amazonas (2); Rio Grande do Sul, Paraná, Rio de Janeiro, Paraíba, Ceará, Minas Gerais e Mato Grosso (um em cada). Houve ainda duas conduções coercitivas, em São Paulo e Minas Gerais.

G1/ Fronteira Online