X

Notícias

Bolsonaro afirma que número de ministérios pode chegar a 20

Política
-
28/11/2018 12:18

Atualmente há 29 pastas, e presidente eleito disse na campanha que reduziria o número a 15. Em entrevista, disse que manterá status de alguns ministérios em razão da 'governabilidade'

— Foto: Rafael Carvalho/Governo de Transição
Legenda da foto

O presidente eleito Jair Bolsonaro afirmou nesta terça-feira (27) que o número de ministérios pode chegar a 20.

Atualmente existem 29 ministérios e, durante a campanha eleitoral, Bolsonaro havia dito que, se eleito, o número de pastas seria reduzido a “no máximo” 15.

“O desenho [da Esplanada] está praticamente concluído, acho que a última versão será apresentada amanhã cedo por parte do Onyx Lorenzoni [futuro chefe da Casa Civil] e, a partir daí, cada titular da pasta começa a formar o ministério”, afirmou o presidente eleito.

Questionado, então, sobre o número de pastas, respondeu: “Não vai chegar a 20 [ministérios], não, tá? É 20 no máximo ali. Porque a gente vai vendo, por uma governabilidade até, não podemos sobrecarregar demais uma pessoa em um ministério. Então, refizemos alguma coisa”, afirmou o presidente eleito.

Segundo Bolsonaro, a ideia era reduzir à metade o número de ministérios, mas, em razão da “funcionalidade”, algumas pastas não perderão status.

No início deste mês, o ministro do Planejamento, Esteves Colnago, se reuniu com a equipe de transição e afirmou que a economia de gastos da União com a redução de ministérios “não é tão grande” do ponto de vista fiscal.

Entrevista no gabinete de transição
Bolsonaro deu as declarações em uma entrevista coletiva no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) em Brasília, onde funciona o gabinete de transição.

Na entrevista, o presidente eleito anunciou o engenheiro civil Tarcísio Gomes de Freitas como futuro ministro da Infraestrutura. A pasta herdará a estrutura do atual Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil.

Saiba todos os ministros já anunciados
Bolsonaro afirmou, ainda, que “toda a população brasileira vai pagar” o reajuste salarial para ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) sancionado pelo presidente Michel Temer.

G1