X

Notícias

Chefe da RBR acusa Ferrari de querer influenciar o regulamento da Fórmula 1

Esportes, F1
-
12/03/2018 17:24

Para Christian Horner, cabe à Federação Internacional de Automobilismo decidir as regras; equipe italiana ameaça deixar a categoria se seus interesses não forem respeitados

Disputa entre a RBR de Max Verstappen e a Ferrari de Sebastian Vettel em 2017 (Foto: Getty Images)Disputa entre a RBR de Max Verstappen e a Ferrari de Sebastian Vettel em 2017 (Foto: Getty Images)
Legenda da foto

Pelo visto a briga política na Fórmula 1 está apenas começando… Uma semana depois de a Ferrari mais uma vez ameaçar deixar a categoria caso o novo Pacto de Concórdia (acordo entre todas as equipes que define os regulamentos técnico e desportivo e ainda a divisão dos lucros) não atenda aos seus interesses, o diretor esportivo da RBR, Christian Horner, detonou a postura do time rival.

Uma das metas do Liberty Media, grupo americano que assumiu o controle da Fórmula 1, é promover uma divisão mais igualitária dos lucros e reduzir os custos, com um regulamento técnico que permita às equipes pequenas competir numa condição melhor. O atual acordo que envolve a F1 termina em 2020 e, para Christian Horner, a Ferrari está querendo influenciar no regulamento da categoria para se beneficiar.

– Eu acho que é um desrespeito a Ross Brawn (diretor esportivo da F1), um dos engenheiros mais bem-sucedidos da Fórmula 1. Acho que a Liberty tem um bom raciocínio e compreensão do assunto. No final, é do seu negócio e eles têm que decidir o que é bom para o negócio. Pode ser bom ou ruim para nós, Ferrari ou Mercedes, mas é eles (Liberty) que devem decidir como querem que a Fórmula 1 seja. A FOM e a FIA fazem o regulamento, e é uma questão de as equipes quererem fazer parte disso ou não – comentou Horner em entrevista ao jornal espanhol “El Comercial”.

Horner admitiu a importância histórica da Ferrari, mas deixou claro a opinião de que nenhuma equipe deve se intrometer na elaboração do regulamento, mesmo que isso custe a permanência da única equipe presente desde o primeiro campeonato mundial, em 1950:

– Não iremos influenciar. Este campeonato mundial é gerenciado pela FIA e pela FOM, e cabe a eles saber o que eles querem. Claro que todo mundo quer que a Ferrari continue, é fantástico lutar com eles porque eles são uma equipe icônica, mas o que você não pode fazer é manter a F1 parada.

Depois de conquistar quatro títulos consecutivos de pilotos e construtores, entre 2010 e 2013, a RBR viu nos últimos anos a Mercedes dominar a Fórmula 1, desde a introdução dos motores híbridos, com sistemas de recuperação de energia. Em 2018, a equipe volta a competir com o australiano Daniel Ricciardo e o holandês Max Verstappen.

GE