X

Notícias

Com dois gols de Pedro Rocha, Grêmio vence o Atlético-PR e vai à semifinal da Copa do Brasil

Esportes, Nacional
-
28/07/2017 11:24

Classificado para as semifinais da Copa do Brasil, o Grêmio volta a cruzar com o Cruzeiro nesta etapa do torneio, como ocorreu em 2016

Foto: Lucas Uebel / Divulgação,Grêmio
Legenda da foto

Falta só definir a ordem dos dois jogos, marcados para 16 e 23 de agosto, o que ocorrerá segunda, dia 31. Classificado para as semifinais da Copa do Brasil, o Grêmio volta a cruzar com o Cruzeiro nesta etapa do torneio, como ocorreu em 2016, o ano do penta. A vaga foi confirmada com a vitória de 3 a 2 contra o Atlético-PR na noite desta quinta, na Arena da Baixada.

Foi um jogo protocolar, dada a vantagem de 4 a 0 obtida na partida de ida. Pela 13ª vez, o Grêmio chega às semifinais da Copa do Brasil. No ano, foi sua terceira vitória contra o esfacelado Atlético, com nove gols marcados e um sofrido.

A sete minutos, Luan recebeu de Pedro Rocha e recuou para Michel, que chutou alto. Aos 10, Luan cruzou para o cabeceio errado de Pedro Rocha. Ainda que desfalcado de Edilson, Geromel, Maicon, Arthur e Barrios, o Grêmio conseguia manter o mesmo nível elevado das atuações anteriores. Com apenas quatro titulares, já que sua prioridade é fugir do risco de rebaixamento no Brasileirão, o Atlético-PR chegou a assustar.

A 15 minutos, Douglas Coutinho avançou pela direita, deu “meia-lua” em Marcelo Oliveira, que sentiu o joelho esquerdo e ficou estendido no gramado, cruzou na direção da área e Pablo, que chegou antes de Bressan, fez 1 a 0.

Por alguns minutos, os poucos torcedores do Atlético-PR presentes ao estádio chegaram a pensar em milagre. Ainda mais que o time seguiu no ataque, tirando proveito do momentâneo desajuste defensivo do Grêmio que a lesão de Marcelo Oliveira havia provocado. Mas o ímpeto logo terminou.

O gol de empate, marcado a 26 minutos, foi a síntese do envolvente toque de bola que tem caracterizado o Grêmio. A jogada começou com o toque de Leonardo para Luan, na intermediária. O movimento seguinte foi a abertura feita por Luan para o desmarcado Michel, que vislumbrou Pedro Rocha dentro da área e fez o passe. Com classe, o atacante driblou Eduardo Henrique e, antes da chegada de Cleberson, venceu Weverton com um chute em diagonal: 1 a 1. Um gol construído em quatro momentos.

A partir de então, foi como se não existisse mais adversário pela frente. Tendo Luan invariavelmente como ponto de partida, o Grêmio passou a fazer a bola girar por todos os cantos do gramado, ante marcadores que mostravam até um certo constrangimento em tentar marcar. Se o time cometeu um pecado, foi o de não arriscar mais chutes a gol. Ainda assim, já se ouviam vaias ao Atlético-PR quando o primeiro tempo se encerrou.

A troca de passes foi ainda mais estonteante no segundo tempo. Com uma rara coordenação de movimentos, o Grêmio passou a transpor as linhas de marcação do Atlético-PR como quem passeasse. Houve alguns descuidos defensivos, como aos quando Gedoz, dentro da área, fez passe para chute perigoso de Pablo. Nada além disso.

Para confirmar a superiodade, veio o segundo gol. Aos 24 minutos, depois de cobrança de falta, Bressan redimiu-se da falha no gol do Atlético-PR e serviu de cabeça para Everton, que a antecipou-se à marcação e fez 2 a 1. A festa terminou aos 34 minutos, em jogada iniciada de forma inusitada. Grohe fez a resposição, Everton dominou pouco depois da linha divisória e lançou a Pedro Rocha que, com classe, driblou Weverton e fez 3 1.

Gedoz, aos 46 minutos, fez mais um para o Atlético-PR. De nada adiantou. O Grêmio foca no Cruzeiro, na próxima fase da Copa do Brasil.

DC