X

Notícias

Comoção e revolta marcam enterro de irmãs e bebê atropelados

Notícias
-
29/08/2017 16:47

Antes da despedida, amigos e parentes fizeram protesto nesta terça, 29, pedindo punição ao jovem que matou três pessoas da mesma família

Foto:Reprodução
Legenda da foto

Sob clima de forte comoção e revolta, parentes e amigos se despedem nesta terça-feira, 29, de Rute Ester de Jesus Carvalho, 22 anos; da irmã dela, Gabriela de Jesus Carvalho, 19; e do pequeno Ériko, de seis meses, no Cemitério do Gama. Os três morreram após serem atropelados por um carro desgovernado conduzido por um adolescente de 17 anos no último domingo, 27.

Muito emocionado, Elton Henrique, marido de Rute e pai de Ériko, não para de chorar (foto de destaque). Ele não sai do lado dos caixões da mulher e do filho. Carrega sempre o outro filho no colo, de dois anos, que sobreviveu à tragédia juntamente com o avô. “Está sendo um momento difícil demais. Graças a Deus, a população entendeu a nossa dor e está ajudando a gente. É um momento de luto, mas temos de exigir justiça. Estou sentindo uma dor insuportável. Agora, é só eu e meu filho. Eu vou ser o pai e a mãe”, desabafou o brigadista, de 23 anos.

O velório começou por volta das 10h. Mais de 200 pessoas estão no local. O enterro está agendado para as 17h. Antes de chegar ao cemitério, familiares e amigos participaram de um protesto no local do acidente, pedindo punição ao adolescente e justiça. “Tudo o que queremos é pedir atenção para que outras pessoas não sejam vítimas das irresponsabilidades que acontecem no trânsito. Estamos em choque até agora”, disse o primo das vítimas Sérgio Jesus de Sousa.

Pai das duas mulheres mortas e avô do bebê que também foi atropelado no acidente, Man Sun Go foi liberado para ir ao velório, mas não aguentou muito tempo e acabou voltando para o Hospital Regional do Gama (HRG), onde está internado se recuperando dos ferimentos. “Este é um momento em que as nossas vidas estão dilaceradas. Não só a nossa família sofre. O DF inteiro sente a dor e chora por essas mortes”, lamentou Sérgio Jesus.

Metrópoles