X

Notícias

Delegacias de São Paulo guardam, 49 toneladas, de drogas para serem queimadas

Geral, Notícias
-
12/01/2018 16:18

Lei manda destruir material em até, 30 dias, com autorização da Justiça

Foto: Vanusa Torchi/Sigmapress/Folhapress
Legenda da foto

Apreensões de drogas em São Paulo somam, 17 toneladas, em média por mês.

As apreensões de drogas em São Paulo atingiram a marca de, 17 toneladas, em média por mês no ano passado, mas o ritmo e o volume das apreensões criaram problemas nas delegacias do Estado, que acumulam expressivas quantidades de cocaína, maconha e outras drogas em salas e cofres.

A lei determina a destruição do material em até 30 dias com autorização da Justiça e acompanhamento do Ministério Público.

Mas um levantamento inédito feito com base na Lei de Acesso à Informação mostra que as delegacias armazenam pelo menos 49 toneladas de entorpecentes, resultado da diferença entre o que foi apreendido e incinerado no Estado entre, 2016 e 2017.

Na média mensal, a polícia registrou aumento de, 42% nas apreensões de drogas no Estado. Até outubro do ano passado, cerca de, 170 toneladas, de entorpecentes tinham sido apreendidas. Neste mesmo período, foram incineradas, 149 toneladas, de drogas.

As, 21 toneladas, restantes juntas com cerca, 28 toneladas, que não foram destruídas em, 2016 viraram motivo de preocupação de policiais em todo o Estado. Na capital, são pelo menos 18 toneladas de entorpecentes que não foram destruídos e que estão guardados em salas de delegacias.

Policiais ouvidos pela reportagem, com a condição de não se identificar, atribuem a situação a dois fatores: demora de determinados juízes em autorizar a destruição das drogas e falta de verbas para a contratação do serviço de incineração.

Todos os consultados foram taxativos em afirmar que a situação é preocupante, porque os distritos policiais não têm estrutura adequada para armazenar grandes quantidades de entorpecentes. A exceção seria o Denarc, Departamento de Narcóticos, que possui um cofre seguro para o armazenamento das drogas apreendidas.

O temor dos policiais que trabalham nas delegacias no Estado, sobretudo aquelas que ficam nos bairros mais afastados e atendem ao público, é fundamentado, uma vez que o valor total de mercado dos diferentes tipos de drogas ilícitas guardados nos distritos chega a mais de, R$ 120 milhões.

Fonte: R7