X

Notícias

Ex-militar argentino condenado por tortura e expulso do Brasil, é preso novamente em Maravilha

Policial
-
23/11/2018 09:47

Claudio Vallejos, havia sido extraditado do Brasil em 2013 após decisão do STF, no entanto acabou voltando ao país onde foi preso novamente

Foto: Cristiano Estrela / Agência RBS
Legenda da foto

Claudio Valllejos, o ex militar argentino que já foi condenado por vários crimes cometido naquele país durante a ditadura e que acabou expulso do Brasil em 2013, foi preso novamente em território nacional na tarde de quinta-feira, 22. Vallejos foi detido durante a tarde na Rodoviária de Maravilha.

Ao ser abordado o homem estava fardado com roupas militares (camufladas) e alegando ser do Exército Argentino. Uma vez na delegacia ele foi identificado como sendo Claudio Valllejos, capitão do Exército Argentino. Foi então entrado em contato com policiais da Argentina, os quais confirmaram que ele é ex-militar, mas que havia sido expulso do Exército Argentino por envolvimento em vários crimes.

Em consulta aos sistemas internos de inteligência policial, foi constatado que o homem possui ampla ficha criminal, tendo cumprido pena em diversas prisões estaduais e sido extraditado no ano de 2013 para a Argentina. Além dessas informações, em contato com Policiais Federais da imigração brasileira foi constatado que ele havia sido expulso do Brasil, portanto não poderia estar em solo brasileiro.

Durante o procedimento de registro de Boletim de Ocorrência, o homem passou a desacatar os Policiais Civis, ameaçando-os de morte, foi então dada voz de prisão a Vallejos, sendo necessário o uso de força para contê-lo.

Segundo a polícia Vallejos é acusado por crimes de tortura, homicídio, sequestro e desaparecimento forçado de pessoas durante a ditadura militar na Argentina (1976-1983).

Em razão da constatação do crime federal de reingresso de estrangeiro expulso do País, os Policias Civis e Militares de Maravilha conduziram C. V. para lavratura de Auto de Prisão em Flagrante pela Polícia Federal de Chapecó pelos crimes de desacatado, resistência e também de reingresso de estrangeiro expulso.

Fronteira Online