X

Notícias

Ferrari considerada ‘inexistente’ é encontrada em garagem no Japão

Notícias
-
25/08/2017 13:50

Especialistas achavam que a única 365 GTB/4 Daytona com carroceria de alumínio feita para rodar nas ruas era um 'mito'. Até ser encontrada depois de quase 40 anos perdida

1969 Ferrari 365 GTB/4 Daytona Berlinetta Alloy by Scaglietti (Foto: Divulgação/RM Sotheby's)
Legenda da foto

Depois de dominar as 24 horas de Daytona, apenas uma Ferrari 365 GTB/4 foi construída e vendida com a mesma carroceria leve de alumínio e configuração para rodar nas ruas, além da pistas.

No entanto, o modelo único ficou desaparecido por quase quatro décadas e se transformou em um “mito”, com sua própria existência questionada por especialistas. Até que foi encontrado em uma garagem no Japão.

Deteriorida pelo tempo, esta Ferrari 365 GTB/4 Daytona Berlinetta Alloy by Scaglietti passou por uma avaliação em junho, que confirmou o “achado”.

O carro será leiloado nestas condições pela RM Sothebys, que estima um lance final entre R$ 5,1 milhões e R$ 6,3 milhões.

O valor não chega nem perto de um modelo raro destes, mas o comprador ainda gastará alguns milhões na restauração.

Segundo a casa de leilões, os últimos donos japoneses fizeram pequenas modificações estéticas, mas o modelo ainda é praticamente original e tem 36.390 quilômetros rodados.

Cerca de 1.2 mil unidades da 365 GTB/4 Daytona foram produzidas entre 1969 e 1973, sendo que cinco tinham carroceria leve de alumínio para competir nas pistas. Depois de bons resultados, apenas uma outra foi produzida e chegou a ser vendida.

O primeiro dono desta Ferrari foi Luciano Conti, fundador da revista italiana Autosprint, que comprou o modelo 0 km em 1969. Depois de passar de mãos algumas vezes na Itália, ela chegou ao Japão em 1971.

Em 1980, a raridade foi adquirida por Makoto Takai, que escondeu o esportivo em sua garagem por quase 40 anos. Será a primeira vez que um carro destes vai a leilão.

O motor original é um V12 de 4.4 litros. A apresentação mundial da 365 GTB/4 foi durante o Salão de Paris, em 1968, e o apelido “Daytona” veio depois de um pódio completo da Ferrari, com primeiro, segundo e terceiro lugar nas 24 horas.

G1/Fronteira Online