X

Notícias

Figueirense perde outra chance: não supera nem os reservas do Grêmio 

Esportes, Nacional
-
31/10/2016 08:58

Alvinegro fez partida ruim no Scarpelli no 0 a 0 com o tricolor gaúcho

Legenda da foto

O Grêmio veio com os reservas, então o Figueirense, por obra da opção tricolor (o time está com o foco totalmente voltado para as semifinais da Copa do Brasil), ganhou a grande chance de colher três pontos na difícil tentativa de escapar do rebaixamento.

O Alvinegro, contudo, não fez sua parte: ficou no 0 a 0 com o tricolor gaúcho, numa rodada que, como mínimo consolo, ainda teve os principais rivais na luta contra o Z-4 da Série A, Inter e Vitória, apenas empatando os seus jogos.

O time de SC foi a 33 pontos, com os representantes baianos mantendo-se nos 36, e o Inter, que em pleno Beira-Rio acumulou só um ponto diante do lanterna Santa Cruz, somando 38.

No primeiro tempo, a busca do Figueira por interromper os cinco jogos sem vencer começou com pouco trabalho de bola no meio-campo por parte das duas equipes.

Até que, aos 10 minutos, uma bela jogada de Lins, pela direita, encontrou Rafael Moura sozinho. Este deu um belo vôlei e errou o alvo por pouco. Era a primeira estocada com perigo do Figueira.

O lance foi isolado. A partida seguiu sem um padrão tático definido, a bola ¿mordendo¿ os dois times, que não conseguiam construir lances inteligentes, apenas jogadas fortuitas surgidas do constante bate-rebate.

De forma até constrangedora, a nação alvinegra viu seu time sem qualidade para impor o jogo e sem pegada para tentar momentos de pressão que deixassem os reservas gremistas acuados.

E sofreu quando o time desperdiçou duas chances isoladas: Bady arrancou do meio campo, correu com a bola até a entrada da área e arrematou com perigo sem acertar o alvo; e Rafael Moura cabeceou cara a cara com o goleiro, em grande defesa de Grohe.

No segundo tempo, o Grêmio começou a etapa com a marcação um pouco mais adiantada. O que fez o Figueira não conseguir mais ameaçar o gol adversário.

O técnico Marquinhos Santos então fez uma substituição com 15 minutos, retirando Bady e colocando Matheusinho. A ideia era ter mais efetividade no ataque. Renato contra-atacou com a entrada de Batista na vaga de Guilherme, que pouco produziu.

Sem conseguir desenvolver qualquer tipo de trabalho tático consistente, o Figueirense começou a errar passes e a sucumbir à tensão.

Foi um jogo absolutamente pobre do ponto de vista técnico, com a parte tática tosca e que seguramente não valeu o ingresso cobrado do torcedor.

DC/ Fronteira Online