X

Notícias

Funcionário é preso e confessa que furtava até 200 kg de queijo por semana de empresa, em Barracão

Notícias, Policial
-
25/06/2018 15:01

Aos policiais o homem disse ainda o nome quem seriam os empresários que receptavam o produto

Foto: Imagem Ilustrativa
Legenda da foto

A Polícia Militar de Barracão foi acionada na noite de domingo, 24, para atender a uma ocorrência de furto em uma empresa de laticínios de Barracão. Segundo as informações um dos funcionários da empresa estaria furtando produtos do local e revendendo no comércio local.

Ainda de acordo com as informações, o suspeito passou a ser monitorado, sendo que neste domingo, ao ser constatado o furto, foi acionada a equipe da Polícia Militar. Na oportunidade o suspeito havia separado em torno de 40 peças de queijo, cada uma pesando aproximadamente 4kg.

De posse dessas informações a equipe PM realizou campana no local, com um policial camuflado em meio à vegetação, sendo que no momento em que o homem saía da empresa com o veículo carregado, foi tentada a abordagem, no entanto, o suspeito empreendeu fuga sentido Bairro Industrial, sendo realizado acompanhamento tático, e lograda a abordagem já na Linha Três Passos.

Após a abordagem o homem foi identificado e confessou que vinha praticando os furtos há quase três meses, totalizando cerca de 200kg do produto por semana. O homem disse ainda que furtava para revender nos comércios de Barracão e Dionísio Cerqueira, e inclusive para pessoas de outros municípios que vinham até Barracão para comprar.

Aos policiais o homem disse ainda o nome quem seriam os empresários que receptavam o produto, que na indústria é vendido por cerca de R$ 18,00 o quilo, ele, no entanto repassava aos comerciantes pelo valor de R$ 9.00 o kg.

Depois de preso, o homem disse que contava com a ajuda de outro funcionário, que era uma espécie de olheiro, e que também foi preso. O “olheiro” recebia em torno de R$ 300,00 por furto.

Após os procedimentos ambos os presos foram conduzidos à Central de Flagrantes em Francisco Beltrão. A investigação segue com a Polícia Civil.

Fronteira Online