X

Notícias

Grêmio e Cruzeiro se reencontram na Copa do Brasil, veja o que mudou em um ano

Esportes, Nacional
-
15/08/2017 11:06

Tricolor tem a base mantida do confronto do ano passado, também pela semifinal, e vive grande fase. Raposa construiu equipe mais equilibrada e afastou turbulência

Grêmio, de Luan, tem muita força ofensiva, mas enfrenta uma das melhores defesas do ano no Brasil (Foto: Daniel Coelho/Agência PressDigital)
Legenda da foto

Grêmio e Cruzeiro começam a decidir a vaga na final da Copa do Brasil na quarta-feira, a partir das 21h45, na Arena. Mas o confronto na semifinal da competição é uma reedição do que ocorreu no ano passado, na mesma fase, quando os gaúchos superaram os mineiros. O reencontro das duas equipes vem em contextos completamente diferentes: o Tricolor com base mantida e mudanças pontuais, enquanto a Raposa vive um momento bem mais tranquilo, com uma equipe mais equilibrada e totalmente concentrada na busca pelo pentacampeonato do torneio.

No primeiro jogo de 2016, o Grêmio esteve escalado com: Marcelo Grohe; Edílson, Geromel, Kannemann e Marcelo Oliveira; Walace, Maicon, Ramiro, Douglas e Pedro Rocha; Luan. O Tricolor, em uma projeção de escalação, tem quatro novidades: Bruno Cortez, Michel, Arthur eBarrios nas vagas de Marcelo Oliveira, Walace, Maicon e Douglas.

A escalação da Raposa do ano passado é reflexo das mudanças ocorridas. Os que atuaram foram: Rafael; Lucas (Alisson), Léo, Bruno Rodrigo e Edimar; Denilson (Alex), Lucas Romero e Robinho; De Arrascaeta, Rafael Sobis (Willian) e Ramón Ábila. Só Romero, Léo, Alisson, Robinho e Sobis devem ser titulares contra o Grêmio. Lucas, Bruno Rodrigo, Edimar, Denilson, Willian e Ábila nem estão mais na Toca.

– Particularmente, não participei, mas acompanhei pela televisão. Era um elenco muito forte, algumas peças saíram e outras chegaram. Acho que o empenho, a vontade de ganhar é a mesma do ano passado e se Deus quiser poderemos conquistar algo grande nesta Copa do Brasil – relata Michel, uma das novidades do Grêmio.

Para Sobis, um dos que permaneceu da equipe de 2016, a situação é totalmente diferente:

– Muda o ano, mudam os jogadores, mudam muitas coisas. São dois grandes times, duas camisas e tem tudo para ser um grande jogo.

Defesa

Entre os cinco jogadores de defesa, o Grêmio manteve a maioria. A única mudança no setor é a entrada de Bruno Cortez na vaga de Marcelo Oliveira, hoje reserva. Renato também ganhou uma nova peça, Léo Moura, constantemente utilizado, mas que deve ficar no banco na quarta-feira. A solidez defensiva do ano passado está mantida, especialmente após a entrada de Portaluppi.

No Cruzeiro, agora há Fábio, que naquela ocasião estava machucado, além de Murilo e Diogo Barbosa, que iniciaram na Raposa este ano. Além disso, o setor defensivo voltou a ser um dos pontos fortes da equipe, sendo uma das melhores do Campeonato Brasileiro, cenário bem diferente do ano passado.

Meio-campo

Vital para o estilo de jogo do Grêmio, a dupla de volantes foi totalmente modificada. Ano passado, Walace e Maicon dominavam o setor. Agora, quem dá as cartas são Arthur e Michel. O primeiro esteve no grupo campeão, mas sem jogar. O segundo foi contratado para este ano e se firmou nas ausências de Maicon, novamente com dores no tendão de Aquiles do pé esquerdo e desfalque para o jogo. A figura de Arthur, especialmente, é fundamental para o Tricolor, por sua mobilidade e característica de troca de passes. Outro que deixou a escalação foi Douglas, após passar por cirurgia no joelho esquerdo. Luan acabou recuado para a função.

No Cruzeiro, Henrique não estava naquela partida, mas continua sendo peça essencial para Mano Menezes. Lucas Silva voltou do Real Madrid e vem de grandes atuações. Já Robinho, que atuou de segundo volante no duelo de 2016, tem recuperado a forma física para voltar a ser o motor do time. Thiago Neves é quem descontrola o adversário. Está em ótima fase, sendo também responsável por muitos gols cruzeirenses.

Ataque

Com a presença de Lucas Barrios, o ataque do Grêmio ganhou em poder de fogo. O centroavante esbanja efetividade no ano e deu uma característica mais pesada ao Tricolor. Antes, Luan era o jogador mais avançado, com sua mobilidade e presença em todos os lados do campo. Agora, Barrios fica mais centralizado, embora se movimente para construir com os companheiros e sua presença na área sempre preocupa os adversários.

O ataque cruzeirense vive uma momento de certa incerteza. Com Ábila, artilheiro da equipe, negociado, Sassá assumiu a posição no Brasileiro. Mas ele não pode jogar a Copa do Brasil. Por isso, Rafael Sobis, artilheiro da competição com cinco gols, voltará a ter uma chance na posição que mais se deu bem na Raposa. Alisson, atuando pelo lado esquerdo, é uma peça que pode desequilibrar na Arena.

Momento

Classificado para a semi com duas vitórias, sendo uma delas goleada por 4 a 0 no primeiro jogo com o Atlético-PR, o Grêmio vive temporada destacada e chegou a ser apontado como melhor futebol do Brasil. Além das boas atuações na Copa do Brasil, também está nas quartas da Libertadores e é vice-líder do Brasileirão. Ano passado, chegou na semi em ascensão, dando prioridade ao mata-mata e também com bom rendimento. Mas com um status menor do que o atingido em 2017, com elogios país afora e reconhecimento.

Apesar de viver altos e baixos no Campeonato Brasileiro, o momento cruzeirense nem se compara ao do ano passado. Após fracassos por toda a temporada, Mano Menezes juntou os cacos e ainda conseguiu levar o time às semifinais, fase em que mostrou falta de forças para passar, principalmente porque ainda não estava salvo do rebaixamento. Neste ano, a equipe ocupa posição tranquila na tabela do Brasileiro e, por isso, pode se concentrar totalmente na Copa do Brasil. A equipe está mais equilibrada e com um bom volume de jogo, o que dá esperanças ao torcedor de chegar a mais uma final da copa nacional.

Globo Esporte