X

Notícias

Grêmio x River: o gigante argentino não está na lona

Esportes
-
25/10/2018 11:29

Multi-campeão argentino, o semifinalista da Libertadores confia no talento dos jogadores e na capacidade do treinador para derrotar o Tricolor no jogo de volta

Foto: JUAN MABROMATA / AFP
Legenda da foto

O River Plate, segundo clube mais popular da Argentina, está em desvantagem nas disputas contra equipes brasileiras na Copa Libertadores da América. Entre os dois países, os maiores vencedores do torneio, o River perdeu mais jogos do que ganhou. O escore: 15 a nove, com quatro empates.

A equipe argentina venceu apenas três vezes em estádios do Brasil na história (1960, 2006 e 2018): Corinthians (duas) e Cruzeiro.

A vitória do Grêmio no Monumental de Núñez, na terça-feira (23), no jogo de ida de uma das semifinais da edição 2018, não significa que o gigante argentino está na lona. Continua em pé. Tonto, mas em busca de revanche. Já se move.

Os argentinos dizem que o River jogou uma má partida, um atuação atípica. Decepcionou dirigentes, torcedores e imprensa especializada. Que o time pode muito mais. Que foi amordaçado pelo sistema tático de Renato. Não encontrou espaços, não criou e perdeu o jogo de ida depois de um gol de bola parada. Foi a primeira derrota do River no seu estádio desde o ano passado. Ninguém tira o mérito do vencedor, só estranha a apatia do derrotado.

A esperança está no poder de recuperação do time e no talento do treinador Marcelo Gallardo, cotado para dirigir a seleção argentina de Messi. O poder do River está nos seus habilidosos meias e em um ataque goleador, só o que não funcionou na noite tricolor na capital Buenos Aires.

Na Arena, todos imaginam, o Grêmio será mais ofensivo. Vai atacar quase que por obrigação. O dono da casa nunca resiste ao grito da torcida, vai á frente por impulso. Oferecerá espaço aos visitantes. O River espera reverter o resultado à base dos contra-ataques, uma das suas especialidades, e do talento individual dos seus astros.

Os argentinos garantem que o gigante não beijou a lona. Levam fé.

ESPN