X

Notícias

Horário de verão: veja como reduzir os efeitos da mudança do relógio

Geral
-
31/10/2018 17:31

O horário de verão que, após muitas confusões, começa oficialmente no próximo domingo dia 04

Foto: Reprodução
Legenda da foto

Há quem ame. Também tem aqueles que odeiam. Longe de ser uma unanimidade, o horário de verão que, após muitas confusões, começa oficialmente no próximo domingo (4), impacta de forma significativa em uma boa parcela dos brasileiros. Mesmo com a diferença de apenas uma volta no ponteiro do relógio, as mudanças no corpo são grandes, especialmente para aqueles indivíduos designados como matutinos ou vespertinos.

A justificativa para essas alterações é simples: nosso relógio biológico, espécie de marca-passo do organismo que regula todos os órgãos, explica Geraldo Rizzo, coordenador do Núcleo de Distúrbios do Sono do Hospital Moinhos de Vento. Cabe a esse mecanismo ajustar os horários em que sentimos fome, em que vamos ao banheiro e em que deitamos para dormir. Portanto, ao adiantar o relógio, algumas pessoas podem sentir dificuldade para pegar no sono, ficar mais cansadas, irritadas, ter alterações no humor e apresentar inquietude.

– Isso vai mexer com 20% da população, que são os matutinos ou vespertinos. O resto se adapta mais fácil, pois está no ramo dos indiferentes – diz Rizzo.

Para quem está incluído nesses 20%, a boa notícia é que, via de regra, o organismo leva um dia para se adaptar ao novo horário. Segundo Rizzo, a medicina calcula que, para cada hora de mudança, é preciso um dia de adaptação.

Como cada indivíduo é único, há quem estenda o “sofrimento” por mais dias ou até mesmo nunca se adeque à hora à frente. No entanto, há algumas dicas para facilitar esse processo ou pelo menos amenizar seus efeitos sobre o corpo. Confira:

Sono
– Nossa sociedade entende que tem mais tempo para lazer, mas acontece que, no outro dia, as coisas são iguais. Em vez de deitar às 22h, a pessoa acaba indo para cama às 23h, mas acorda às 6h, ou seja, vai dormir menos horas – destaca Rizzo.

Para evitar as horas a menos de sono, a recomendação é: mantenha o horário normal de ir para a cama. Isso significa seguir o mesmo horário de janta e de desacelerar.

A biomédica Luísa Klaus Pilz lembra que, apesar da mudança no relógio, nosso corpo é guiado pela luz, portanto, é bom evitar a exposição excessiva à luz branca ou azul no período da noite:

– Uma questão interessante é se expor mais à luz durante o dia.

Também é bom iniciar a adaptação alguns dias antes, para não ter um ajuste brusco.

Alimentação
A regra é sempre manter as horas habituais, mesmo com a hora à frente.

– O horário de dormir a gente não estabelece, mas sim o de deitar. Agora, o momento de comer é a pessoa que determina. Então, deve-se manter a rotina – ensina Rizzo.

Isso quer dizer: nada de jantar mais tarde só porque o horário mudou – isso vai fazer com que você durma mais tarde, mas acorde na mesma hora. Na prática, isso significa dormir menos.

Chás e café podem dar uma mãozinha no começo, mas funcionam só como paliativos, alerta o médico:

– Débito de sono a gente paga dormindo, não com café.

Dicas de ouro
– Procure manter os horários que obedeciam antes da mudança: se jantava às 20h, siga jantando às 20h do novo horário.
– Inicie o processo de adiantar o relógio, deitando mais cedo, por exemplo, alguns dias antes.
– Três noites antes do começo do horário de verão e três depois, durma com as persianas abertas. Isso porque a entrada da luz mais cedo ajuda no despertar.
– Evite atividades que exijam muita atenção nos primeiros dias.
– Fuja de comidas pesadas no jantar.
– Esqueça as luzes brancas e azuis excessivas ao anoitecer.

DC