X

Notícias

Jovem que atropelou quatro após festa é condenado a mais de 24 anos de prisão

Geral, Notícias, Policial
-
20/10/2017 11:51

Luan Paiva, de 23 anos, foi condenado por homicídio qualificado e uma tentativa

Atropelamento ocorreu no acostamento da BR-282 em Joaçaba (Foto: Éder Luiz/Divulgação)
Legenda da foto

Ojovem de 23 anos que atropelou quatro pessoas em Joaçaba, no Oeste catarinense, em agosto de 2016 após uma festa de formatura, foi condenado a 24 anos, 10 meses e 24 dias de prisão em regime fechado. A defesa diz que vai recorrer.

O julgamento de Luan Paiva ocorreu na quarta-feira (19) no Fórum de Joaçaba e durou mais de oito horas. A condenação foi por homicídio qualificado consumado, pela morte do adolescente Andrei Ramos, de 16 anos, e um homicídio qualificado tentado. As qualificadoras do homicídio foram impossibilidade de defesa da vítima e motivo fútil

Ele foi a julgamento por três tentativas de homicídio contra os jovens que estavam com Andrei na madrugada de 28 de agosto de 2016, quando ocorreu o atropelamento. Mas o júri absolveu duas das tentativas.

Segundo a defesa, há também um recurso em andamento junto ao Tribunal de Justiça de Santa Caarina (TJSC) pedindo a anulação do júri, que teria sido marcado “sem que todos os recursos perante o Tribunal fossem apreciados”, informou o advogado Leonardo Buchmann.

Atropelamento

Luan participava de uma festa de formatura quando teve um desentendimento com um grupo de jovens. Na época, testemunhas disseram à Polícia Civil que um suposto arremesso de um copo de cerveja teria motivado o atropelamento.

Na saída, ele teria jogado o carro contra os quatro rapazes que estavam no acostamento da rodovia BR-282 no km 391. Andrei Ramos não resistiu aos ferimentos e morreu. Os outros três ficaram feridos. O veículo envolvido era um Jetta com placas de São José do Rio Preto, São Paulo.

As vítimas e Luan não se conheciam antes da suposta discussão em frente à festa. De acordo com a polícia, um passageiro que estava dentro do carro já conhecia as vítimas.

Em depoimento na época, antes de ser encaminhado ao presídio, conforme a delegacia, Luan afirmou que tinha bebido e não pensou nas consequências do ato.

G1