X

Notícias

Menores fazem educadores reféns e fogem de centro de internação, em Goiânia

Geral, Notícias
-
09/01/2018 14:37

Segundo diretora do Gecria, que administra unidade, mais de, 10 internos, fugiram do local, servidores tiveram ferimentos leves

Foto: Giovana Dourado/TV Anhanguera
Legenda da foto

Educadores encontraram corda feita com panos para facilitar fuga em Case de Goiânia.

Mais de, 10,  adolescentes fugiram de um Centro de Atendimento Socioeducativo, Case, de Goiânia, após fazerem dois educadores reféns, na segunda-feira, 8. De acordo com a direção do Grupo Executivo de Apoio à Criança e Adolescente, Gecria, os servidores tiveram ferimentos leves e já passaram por exame no Instituto Médico Legal, IML.

Segundo apurou a TV Anhanguera, 14 menores fugiram, três deles já haviam sido capturados até a manhã desta terça-feira, 8. A diretora do Gecria, Luzia Dora Juliano Silva, informou que o órgão ainda não tem conhecimento sobre como ocorreu a fuga, e vai apurar as circunstâncias do fato para encaminhar o caso para o Juizado da Infância e Juventude.

“Vamos instaurar o procedimento para investigar se houve facilitação. Primeiro são tomadas as medidas administrativas, vamos aguardar o relatório chegar para gente, para fazermos a comunicação ao Juizado e apurar o que houve de fato. Felizmente, ao que nos foi repassado, não foi ferimento grave”, disse.

O caso ocorreu na noite de segunda-feira, no Conjunto Vera Cruz I, na região oeste de Goiânia. Internos usaram pedaços de ferro para agredir educadores e fugir. Além das barras de ferro, educadores encontraram uma corda feita com pedaços de pano, para facilitar a fuga.

Unidade, com capacidade para, 160 menores, estava com, 174 internos no momento da fuga, conforme informaram funcionários da unidade.

Em nota, a Secretaria Cidadã confirmou que o Gecria “solicitará a instauração de Procedimento Administrativo para apurar o fato ocorrido no CASE de Goiânia.”

“A Secretaria Cidadã esclarece que, o Centro de Atendimento Socioeducativo, CASE, passou por ampla reforma e adequação, em fevereiro de 2017 dentro dos parâmetros arquitetônicos estabelecidos pela legislação. Portanto, a Unidade tem todas as condições estruturais e técnicas para receber adolescentes durante o cumprimento de medida socioeducativa aplicada”, diz a nota.

Confome o órgão, o Case “teve um investimento na ordem de R$ 3 milhões, que contou com a construção de um novo pavilhão de segurança; cobertura da quadra poliesportiva; ampliação da ala feminina, com sanitários nos alojamentos duplos; ampliação no número de salas de aulas e de atendimento técnico; construção de duas salas para o descanso dos servidores, e demais reformas”.