X

Notícias

Mistério do submarino desaparecido na Argentina completa um ano

Internacional
-
16/11/2018 10:11
— Foto: Armada Argentina/Handout via Reuters
Legenda da foto

Yolanda Mendiola vai diariamente à base naval de Mar del Plata, atracadouro do submarino argentino San Juan, desaparecido há um ano no Atlântico sul, com esperanças de receber notícias do filho, um de seus 44 tripulantes.

“Somos famílias destruídas. Não podemos ir para nossas casas. Vamos todos os dias à base, de manhã e de tarde. Nossa luta é justa. Precisamos ver o corpo dos nossos filhos, tê-los como for. Pedimos que os resgatem”, disse Mendiola à AFP.

Esta mulher de 55 anos é uma das moradoras há 12 meses de um hotel na cidade de Mar del Plata, a 1.900 km de sua casa em Jujuy (norte), à espera de saber o que aconteceu com seu filho, o cabo Leandro Cisneros, de 28 anos.

O contato com o submarino “ARA San Juan” foi perdido em 15 de novembro de 2017, quando navegava no Golfo de San Jorge, a 450 km da costa. Tinha zarpado de Ushuaia, no extremo sul da Argentina, de volta a Mar del Plata, 400 km ao sul de Buenos Aires.

As buscas começaram 48 horas depois. Colaboraram 13 países, mas a maioria se retirou antes do fim de 2017, sem resultados.

Desânimo que não cessa

Os familiares foram passando da confiança à angústia, da esperança à decepção. Quinze dias depois do último sinal do submarino, a Marinha deixou de buscar sobreviventes.

Eles criticam a Força por suspeitas de ter escondido informação e o que consideram “falta de acompanhamento” do governo de Mauricio Macri.

O investimento nos trabalhos de buscas alcança 920 milhões de pesos (US$ 25,5 milhões), informou na terça-feira ao Parlamento Graciela Villata, alta funcionária do Ministério da Defesa.

A pressão das famílias, que juntaram recursos e acamparam 52 dias na Praça de Maio, em frente à sede da Presidência, em Buenos Aires, levou à contratação da empresa americana Ocean Infinity para retomar o rastreamento.

A embarcação zarpou em 7 de setembro com quatro familiares a bordo, mas sem resultados. Esta semana anunciou a suspensão da operação até fevereiro.

Mas a juíza encarregada da ação, Martha Yáñez, de Caleta Olivia (sul), ordenou que antes de voltar à terra seja inspecionada uma zona mais longínqua por onde um navio rastreador captou ruídos que poderiam ser compatíveis com pancadas de um casco.

Milagre?
Algumas mães ainda alimentam a ilusão de que o submarino tenha tido outro destino que o fundo do mar e que os 44 tripulantes estejam vivos.

“Completa-se um ano e vamos estar aí esperando que voltem. Seria um milagre imenso se por ali aparecesse o submarino e os víssemos voltar, porque a verdade é que ninguém sabe o que aconteceu”, contou à AFP Zulma Sandoval, de 56 anos, mãe do suboficial Celso Vallejos, de 39.

Longe de sua casa em Santiago del Estero (norte), Lourdes Melián, de 21 anos, irmã do cabo David Melián (32), continua ao lado de outros familiares em Mar del Plata, mas desesperançada.

“Sinto que meu irmão não está mais ali. Prefiro isso do que pensar que continua por aí ou que foram sequestrados”, afirma, em meio a lágrimas, na base naval.

Hipóteses
Uma explosão submarina foi registrada no local três horas depois da última comunicação com o submarino, quando o capitão da embarcação reportou a superação de uma falha no sistema de baterias devido à entrada de água pelo snorkel.

A juíza tomou o depoimento de 70 pessoas e disse que ainda não tem “um panorama fechado” sobre o ocorrido.

A tragédia motivou a destituição do comandante da Marinha, Marcelo Srur.

Lançado na Alemanha em 1983 e incorporado à Marinha argentina em 1985, o “San Juan” era um dos três submarinos do país e seu processo de reparos da meia vida havia terminado em 2014.

Alguns tripulantes comentaram que a embarcação tinha sido seguida por navios ingleses. Alguns familiares pensam que poderiam ter passado pela zona de exclusão das Ilhas Malvinas, cuja soberania motivou um conflito entre Argentina e Grã-Bretanha em 1982.

“Eu sonho com meu esposo. Pergunto-lhe onde está e me diz que nas Malvinas e que não pode falar”, contou à AFP Andrea Mereles, casada com o suboficial Ricardo Alfaro Rodríguez, com quem tem uma filha de 17 anos e um menino de 8.

Nestes sonhos, o marido lhe diz: “O que te contei que aconteceu conosco na navegação anterior, que fomos seguidos por um submarino inglês, nesta aconteceu o mesmo”.

G1