X

Notícias

Morre bebê infectada por superbactéria KPC

Notícias
-
21/08/2017 14:07

Menina morreu neste fim de semana. Caso de KPC é o primeiro no hospital de Campinas, referência na América Latina no tratamento de doenças hematológicas

Morre bebê internada com superbactéria em hospital de Campinas
Legenda da foto

Morreu neste fim de semana a bebê de 5 meses infectada pela bactéria multirresistente KPC e que fazia tratamento para uma doença congênita no sangue no Centro Infantil Boldrini, em Campinas (SP). De acordo com o hospital – referência na América Latina para o tratamento de doenças hematológicas -, a equipe médica não conseguiu controlar a infecção no sangue da menina.

Nesta segunda-feira, 21, o Boldrini reafirmou ao G1 que não há como confirmar que a bebê foi infectada em Campinas, até porque não havia outros casos de KPC na unidade. O caso da superbactéria foi o primeiro registrado no centro infantil em 20 anos.

A bebê Laura Silva de Lima faleceu às 11h57 de sábado, 19. Ela estava internada na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) desde o dia 28 de julho para tratar agranulocitose congênita, doença que impede a produção de glóbulos brancos. Ela já havia sofrido “várias infecções”, segundo o Boldrini, entre elas a pneumonia. Quando foi detectada a superbactéria, ela ficou em um leito isolado.

“A infecção não pôde ser controlada, apesar de todos os esforços empreendidos pela equipe médica, de enfermagem e multiprofissional de nossa instituição e do tratamento antimicrobiano específico para esta bactéria, devido à grave deficiência imunológica congênita causada pela doença de base (Agranulocitose Congênita) apresentada pela paciente”, diz a nota oficial do Boldrini.

Hospitalizada desde que nasceu

A menina foi transferida para Campinas após ficar em tratamento no Hospital Mário Covas, em Santo André (SP), onde estava hospitalizada desde o nascimento, em 5 de agosto. Na semana passada, a Secretaria Estadual de Saúde informou que a bebê não foi contaminada pela superbactéria no Hospital do ABC Paulista. De acordo com a Vigilância Epidemiológica, os exames para identificar infecção não encontraram indícios de KPC na criança.

Na última quinta-feira, 17, a mãe da criança, Bruna Silva de Lima, afirmou que foi informada pelo hospital de Campinas de que o antibiótico não tinha feito efeito e que o quadro da bebê não tinha tido melhora, até então.

A nota do centro infantil diz, ainda, que o hospital se solidariza “com o sofrimento e tristeza dos familiares da paciente”.

Superbactéria

O contágio da bactéria KPC – Klebsiella pneumoniae – acontece por contato, mas não socialmente. No caso de pacientes acamados infectados, a chance é maior de uma contaminação.

O Hospital Boldrini reafirmou que não há surto de KPC na unidade.

G1/Fronteira Online