X

Notícias

No “gol de Danilo”, Jandrei brilha, Chape elimina DyJ e segue viva na Sul-Americana

Esportes, Notícias
-
26/07/2017 14:59

Goleiro defende duas cobranças em baliza eternizada pelo antecessor na campanha do título de 2016 e tem noite de herói. Verdão aguarda vencedor de Flamengo e Palestino

Chape passa pelo Defensa e avança na Sul-Americana (Foto: REUTERS/Diego Vara)
Legenda da foto

O futebol e suas histórias. A vida e suas histórias! Como não lembrar? Como não se emocionar? A Chapecoense, um rival argentino, um goleiro herói e uma classificação nos pênaltis. A vitória por 1 a 0, gol de Tulio de Melo, nos 90 minutos, diante do Defensa y Justicia, foi apenas um detalhe na classificação para as oitavas de final da Copa Sul-Americana, na noite desta terça-feira, na Arena Condá. Tal qual Danilo, Jandrei brilhou, defendeu duas cobranças e garantiu o Verdão vivo na luta pelo bicampeonato. E não é apenas um detalhe que tudo isso aconteceu na baliza eternizada pelo ídolo falecido na tragédia de 29 de novembro.

Com a vitória, a Chapecoense aguarda Flamengo ou Palestino nas oitavas de final. Os cariocas venceram por 5 a 2 na partida de ida, no Chile, e têm larga vantagem para o duelo do dia 9 de agosto, no Rio de Janeiro. Enquanto isso, o Verdão volta as atenções para o Brasileirão, onde encara o Atlético-GO, domingo, às 11h (de Brasília), na Arena Condá.

O jogo
A estratégia era até certo ponto lógica: a Chape precisava de, no mínimo, dois gols para avançar na Sul-América, e Eutropio mandou o time para o ataque. Com Tulio de Melo no lugar de Girotto, o 4-3-3 cauteloso das últimas partidas ganhou tons ofensivos. O antes falso 9 Arthur abriu na ponta. No meio, Moises marcava, e Luiz Antônio e Lucas Marques tinham liberdade para atacar. Tudo isso, entretanto, por pouco na teve efeito reverso quando o DyJ desperdiçou duas boas chances antes dos dez.

Espertos no contragolpes, os argentinos marcavam bem. Todo atrás da linha da bola, o time apresentava linhas bem compactas e não dava espaços. Com Seijas e Luiz Antônio mal, a Chape carecia de precaução. A bola parada, por sua vez, funcionou, e Tulio de Melo abriu o placar aos 24. Vantagem que mudou o jogo para pior. Ninguém quis se expor e o que se viu até o intervalo foram 20 minutos de perde e ganha no meio, e nenhuma emoção.

A precaução seguiu maior do que a ousadia no segundo tempo. Chape e Defensa pareciam mais preocupados em não levar do que em fazer o gol. Os argentinos até tentaram se soltar, arriscaram a posse de bola no campo ofensivo, mas não levaram perigo ao gol de Jandrei. Do outro lado, o Verdão seguia com a bola parada como melhor arma. Fabricio Bruno e Tulio de Melo assustaram.

Ao trocar Seijas por Lourency, a Chape ganhou amplitude, e Lucas Marques encontrou um raro espaço no meio-campo. O passe nas costas da zaga encontrou Arthur Caike, que, frente a frente com o goleiro, chutou para fora. Foi o principal lance de um segundo tempo de muito toque para o lado à espera de uma disputa por pênaltis que se tornou previsível.

A Chapecoense foi perfeita nas penalidades e contou com a estrela de Jandrei. O goleiro defendeu as cobranças de Bareiro e Daniel Gonzalez, enquanto Luiz Antônio, Wellington Paulista, Fabricio Bruno e Lourency foram felizes em suas finalizações.

Ge/Fronteira Online