X

Notícias

Policiais Cerqueirenses se formam no Curso de Condução K9

Policial
-
08/12/2018 10:29

O curso ocorreu de 19 de novembro a 5 de dezembro, na sede do Canil Central

Foto: Divulgação PM
Legenda da foto

Cinco policiais militares do 2ª Cia PM de Dionísio Cerqueira, concluíram na quinta-feira, 06, o Curso de Condução K9, realizado pela Companhia de Polícia Militar de Policiamento com Cães (Canil Central) da Polícia Militar de Santa Catarina (PMSC).

A solenidade de formatura aconteceu na sede da unidade, em Barreiros, São José, e também marcou a comemoração dos 38 anos de criação da modalidade de policiamento com cães na corporação.

O Curso de Condução K9 visa formar policiais militares aptos a atuarem nas operações com cães realizadas pela PMSC. Entre as principais atividades se destacam o emprego de cães na detecção de drogas e armas de fogo, busca e captura de foragidos, ações de CDC; policiamento em praças desportivas e patrulhamento com cães.

Ao todo 18 policiais militares concluíram com êxito o curso, sendo cinco pertencente à 2ª Cia PM de Dionísio Cerqueira.

O curso ocorreu de 19 de novembro a 5 de dezembro, na sede do Canil Central, sob coordenação e execução da unidade com autorização da Diretoria de Ensino da Polícia Militar. A carga horária total do curso foi de 120 horas aula, distribuídas em três semanas.

Durante o ato de formatura foi realizada também a entrega da cadela policial Sofia, farejadora de drogas, para a Companhia de Polícia Militar de Dionísio Cerqueira.

Foto: Divulgação PM

Foto: Divulgação PM

38 anos de Canil na PMSC

Nessa data foi comemorado também os 38 anos da modalidade de policiamento com cães, que iniciou no ano de 1980, com o desenvolvimento de um trabalho destinado a introduzir o cão policial em suas ações de Segurança Pública.

Em novembro do mesmo ano, quatro policiais militares catarinenses iniciaram um estágio de cinofilia de 30 dias, na 3ª Companhia (Canil) do 3º Batalhão de Choque da Polícia Militar do Estado de São Paulo (PMESP), e ao fim do estágio a Polícia Militar paulista doou quatro cães da raça Pastor Alemão à PMSC, que deram início ao Canil.

O canil iniciou suas atividades instalado, provisoriamente, na Academia de Polícia Militar da Trindade, compondo o 4º Pelotão da Companhia de Polícia de Choque do 4º Batalhão de Polícia Militar (BPM) e pouco depois foi transferido para sua sede própria, recém construída, localizada às margens da BR 101, Km 202, no Bairro Barreiros, em São José, onde havia somente instalações físicas para os cães.

Em seguida, o Canil passou a ser subordinado administrativamente ao 7º BPM e operacionalmente ao Comando do Policiamento do Litoral. Logo depois, foi criado o Pelotão de Serviço de Cães, integrado à 3ª Companhia do 7º BPM.

Em 1994, o Canil passou a pertencer ao Grupamento de Polícia Especial. Mais tarde, o Pelotão de Serviço de Cães passou a ter a seguinte denominação Pelotão de Policiamento Com Cães subordinado ao recém-criado Batalhão de Operações Especiais.

Em 1999, o Pelotão de Policiamento com Cães começa a participar de operações de busca e apreensões de drogas com o uso de dois cães farejadores da raça Pastor Alemão Preto.

Em 2000, foi criado o Radiopatrulhamento com Cães (RPC) que se constitui na maior mudança na maneira de emprego de cães dos últimos anos, com guarnição composta por um PM (motorista) e um cão. Criado com base na premissa de que o cão adestrado pode multiplicar a presença do policiamento ostensivo preventivo através de sua característica intimidatória, foi posto à prova diversas vezes, sempre sendo aprovado como um importante instrumento de baixa criminalidade localizada.

Em setembro de 2004, foi criado o Grupo Especial de Resgate com Cães (GERC), destinado ao serviço de busca de pessoas foragidas ou desaparecidas, utilizando o “faro”, ou seja, o olfato canino como ferramenta.

No ano de 2005, foi realizado o Curso de Condutores de Cães Farejadores, organizado pela Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp), utilizando as instalações do Canil da PMSC, com policiais militares, civis, federais e militares das Forças Armadas, de todo o Brasil. O curso foi o início da preparação para atuação nos Jogos Panamericanos do Rio de Janeiro em 2007.

Muitas mudanças legais de subordinação e nomenclatura aconteceram, além da mudança de sede, que trouxe o Canil para perto do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) e do Regimento de Polícia Militar Montada (Cavalaria), bem como sua atual subordinação que é atrelada atualmente ao Comando de Apoio Especializado da Polícia Militar.

Entretanto essa é apenas a parte que conta em datas a história, mas não é toda a narrativa. O Canil é formado por homens e mulheres que estão por toda parte, acompanhados dos melhores amigos cães, bem diante dos olhos da sociedade, lutando por ela e para ela, sem cessar, sem parar, sem cansar, sem desistir. Os integrantes da unidade Canil estão sempre prontos para proteger e ajudar a comunidade, estão nas ruas, nas escolas, nos grandes eventos, enfim, sempre prontos para e em condições de trabalhar com absoluta dedicação na segurança pública da comunidade catarinense.

Fronteira Online