X

Notícias

Por gasolina a R$ 3,69, brasilienses ficam na fila por quase uma hora

Notícias
-
24/08/2017 16:46

O valor está bem mais em conta do que a média praticada pelos postos no DF, de R$ 3,96 para pagamento à vista

Foto:Reprodução
Legenda da foto

Com o preço do litro da gasolina batendo a marca dos R$ 4 nas últimas duas semanas, o brasiliense tem ficado atento às promoções. E, quando elas aparecem, os motoristas não se importam em ficar muito tempo na fila esperando a hora de encher o tanque e economizar uns bons trocados. No centro de Taguatinga, o consumidor encontra o produto por R$ 3,69, pagando à vista.

O servente Botinho Pereira Alves, de 53 anos, estava indo de Samambaia ao Itapoã quando passou próximo ao posto e a placa da promoção chamou atenção. “O preço está muito atraente. Apesar de ter que esperar mais de 40 minutos na fila, eu resolvi parar. Com a gasolina cara do jeito que está, a gente não pode perder a oportunidade”, disse.

O preço baixo acirrou a concorrência e fez com que outros postos da região reduzissem o valor também. Em um deles, o litro está sendo comercializado por R$ 3,76 a prazo ou à vista. Sócio-gerente da unidade, Ricardo Recch explicou à reportagem que os preços estão mudando quase que diariamente, em função da concorrência.

“Mesmo com a alta no preço, estamos conseguindo manter as promoções pela grande procura. Somente nesta semana, a gasolina já subiu duas vezes em percentuais menores, mas, mesmo assim, não repassamos os valores aos consumidores”, afirmou.

Variação
Tamanha variação no preço da gasolina tem sido uma realidade para o brasiliense. O Metrópoles percorreu Plano Piloto, Lago Sul, Guará e Taguatinga para ver o comportamento das bombas.

Enquanto nos estabelecimentos  de Taguatinga o preço do combustível está mais em conta, outros na Asa Sul estão cobrando até R$ 3,89 por litro. Uma diferença de R$ 0,20. No Lago Sul, a média é de R$ 3,96 para pagamento à vista.

O governo federal, na tentativa de equilibrar as contas públicas, aumentou a tributação de PIS e Cofins sobre a gasolina. O acréscimo deveria ter ficado em R$ 0,41 por litro de gasolina e R$ 0,21 no caso do diesel. Mas os estabelecimentos do Distrito Federal passaram a cobrar bem mais. Para se ter uma ideia, em 20 de julho era possível abastecer por R$ 2,99 o litro de gasolina. No dia seguinte, o menor preço que se encontrava nas bombas era de R$ 3,74.

Cartel
Com os recentes aumentos, a população nem se lembra mais da Operação Dubai, deflagrada em novembro de 2015, pela Polícia Federal, para desarticular um cartel que dominava as vendas de combustível no DF.  Na época, o preço médio da gasolina chegou a R$ 3,96, segundo a ANP.

O esquema era liderado pelo grupo Cascol, responsável por 30% dos postos de gasolina da capital. Cinco meses depois, em abril do ano passado, coube a um interventor, nomeado pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), administrar o conglomerado.

Em abril deste ano, o conselho e o Ministério Público do DF e Territórios (MPDFT) multaram a rede em R$ 148,7 milhões por formação de cartel e determinaram que o grupo vendesse parte de seus postos.

Confira os preços do litro em alguns postos:

Posto Petrolina (Taguatinga Centro)
Gasolina comum – R$ 3,69 (débito ou dinheiro)

Nenen’s (Taguatinga Centro)
Gasolina comum – R$ 3,76 (débito ou crédito)

BR Distribuidora (104 Sul)
Gasolina comum – R$ 3,89 (débito ou dinheiro)

Petrobras (109 Sul)
Gasolina comum – R$ 3,84 (débito ou dinheiro)

Petrobras (113 Sul)
Gasolina comum – R$ 3,84 (débito ou dinheiro)

Rede Jarjour (Taguatinga Sul, Asa Sul e Asa Norte)
Gasolina comum – R$ 3,85  (débito ou dinheiro)

Metrópoles/Fronteira Online