X

Notícias

PT anuncia candidatura de Fernando Haddad à Presidência no lugar de Lula

Notícias, Política
-
11/09/2018 15:39

Decisão foi anunciada nesta terça-feira, em Curitiba, no último dia do prazo dado pelo TSE para o partido definir o substituto do ex-presidente

Foto: Juca Varella / Divulgação
Legenda da foto

O Partido dos Trabalhadores (PT) anunciou nesta terça-feira que Fernando Haddad concorrerá à Presidência da República pela legenda no lugar do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que teve o registro de candidatura rejeitado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

O prazo dado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para o partido definir o substituto de Lula terminava às 19h desta terça-feira.

Na chapa original, Haddad era o vice de Lula. Na nova formação, a candidata à vice-presidência será Manuela D’Ávila, do PCdoB.

O anúncio foi feito em Curitiba, onde Lula está preso desde 7 de abril. Pela manhã, a executiva nacional do partido se reuniu em um hotel na capital paranaense.

Lula cumpre pena de 12 anos e 1 mês de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso da Lava Jato envolvendo o triplex em Guarujá (SP).

Prazo

Ao rejeitarem o registro da candidatura de Lula, os ministros do TSE deram 10 dias ao PT para substituir o candidato – prazo que terminava nesta terça. Na segunda (10), a defesa do ex-presidente havia recorrido ao Supremo Tribunal Federal (STF) para ampliar o prazo até 17 de setembro.

Os advogados tinham feito o mesmo pedido ao TSE, que foi rejeitado pela presidente do tribunal, ministra Rosa Weber.

O recurso no Supremo ainda será analisado pelo ministro Celso de Mello, responsável pelo caso. No entanto, o partido acabou decidindo por apresentar Haddad como candidato no último dia do prazo dado pelo TSE.

Caso o partido não apresentasse o substituto na chapa, de acordo com entendimento da Justiça Eleitoral, ficaria de fora da corrida presidencial, e o tempo de propaganda na TV seria redistribuído entre os demais partidos.

Ficha limpa

No julgamento de 1º de setembro, os ministros do TSE decidiram – por 6 votos a 1 – rejeitar o registro da candidatura de Lula à Presidência. Eles consideraram o petista inelegível com base na Lei da Ficha Limpa.

Na ocasião, os ministros também decidiram que, até a substituição de Lula, o PT poderia continuar fazendo propaganda eleitoral, mas sem a participação dele como candidato.

Lula foi condenado em segunda instância em janeiro deste ano em julgamento da 8ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4). O ex-presidente afirma ser inocente.

Mesmo com Lula preso, o PT confirmou o ex-presidente como candidato ao Planalto em 4 de agosto. Haddad foi apresentado como vice, e um acordo com o PCdoB permitia a entrada de Manuela D’Ávila na chapa.

Em nota divulgada no site do ex-presidente na época, foi informado que Haddad seria o porta-voz de Lula até o trâmite final da homologação da candidatura dele na Justiça Eleitoral.

Em meados de agosto, o Comitê de Direitos Humanos da ONU solicitou que o Brasil garantisse os direitos políticos de Lula na prisão e que não o impedisse de concorrer na eleição de outubro até que todos os recursos da condenação dele sejam contemplados.

O PT foi o último partido a registrar candidatura à Presidência. O registro da candidatura de Lula foi publicado no “Diário da Justiça Eletrônico” em 17 de agosto.

Ao todo, 13 candidatos concorrerão ao Palácio do Planalto neste ano. O primeiro turno está marcado para 7 de outubro e o segundo, para o dia 27.

Perfil de Haddad

Filho de comerciantes do Bom Retiro, na região central de São Paulo, aos 18 anos Haddad entrou para a faculdade de direito da Universidade de São Paulo (USP), no Largo de São Francisco. Formou-se bacharel em 1985.

Também pela USP, tornou-se mestre em Economia com especialização em economia política, em 1990, e doutor em Filosofia em 1996.

Foi professor de Teoria Política Contemporânea no Departamento de Ciência Política da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Sociais da USP, analista de investimento do Unibanco e consultor da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe).

Em 2001, assumiu a chefia de gabinete da secretaria municipal de Finanças de São Paulo na gestão da prefeita Marta Suplicy. Dois anos depois, se tornou assessor especial do ministro do Planejamento, Guido Mantega. Depois, foi secretário Executivo do Ministério da Educação e se tornou ministro da pasta durante a gestão Lula.

Em 2012, deixou o cargo para disputar as eleições municipais de São Paulo. Foi prefeito da capital paulista de 2012 a 2016, e candidato do PT à reeleição, mas perdeu para o tucano João Doria.

G1