X

Notícias

Trump anuncia que China aceita cortar tarifas de carros dos EUA

Internacional
-
03/12/2018 10:33

No Twitter, presidente americano fez anúncio sem dar mais detalhes do acordo. China e EUA negociaram 'trégua' na guerra comercial durante o G20

— Foto: AFP/Getty via BBC
Legenda da foto

A China aceitou “reduzir e eliminar” as tarifas dos automóveis importados dos Estados Unidos, anunciou o presidente presidente Donald Trump, depois de estabelecer com o presidente chinês, Xi Jinping, uma trégua na guerra comercial entre as duas principais economias do mundo.

“A China concordou em reduzir e eliminar as taxas dos automóveis que entram na China a partir dos EUA. Atualmente, a tarifa é de 40%”, escreveu Trump no Twitter, que se reuniu no sábado com Xi Jinping após o encontro de cúpula do G20 em Buenos Aires.

As Bolsas da Ásia registraram alta nesta segunda-feira, após a notícia de que Washington e Pequim concordaram com uma trégua de três meses para não impor novas tarifas, enquanto negociam um acordo mais detalhado.

Com o acordo entre os países, os índices acionários chineses registraram seu maior ganho diário em um mês.

Como foi o acordo?

No sábado, Trump e Xi estabeleceram uma pausa na guerra de tarifas que afetou os mercados ao redor do planeta durante meses.

O presidente americano chamou de “incrível” o pacto com o qual Washington espera reduzir o gigantesco déficit comercial com Pequim e ajudar a proteger a propriedade intelectual dos Estados Unidos.

Trump se comprometeu a não cumprir a ameaça de elevar de 10% para 25% as tarifas das importações de produtos chineses no valor de 200 bilhões de dólares a partir de 1 de janeiro.

Em troca, a China deve comprar uma quantidade “muito importante” de produtos agrícolas, de energia, industriais e outros bens dos Estados Unidos.

Trump não publicou nenhum tuíte posterior no domingo para explicar quais tarifas de automóveis serão eliminadas e quais serão reduzidas.

A China reduziu em julho as tarifas de importação de automóveis de 25% a 15%. Mas com o aumento da tensão comercial, Pequim impôs aos veículos americanos uma taxa adicional de 25%, o que elevou a carga de impostos a 40%.

G1