X

Notícias

Um argentino e quatro brasileiros são presos em ação das Polícia Civil e Militar contra quadrilha especializada em roubos na região

Notícias, Policial
-
01/10/2018 08:11

A “Operação Muchachos” foi realizada por policiais civis e militares. Dois suspeitos de envolvimento nos crimes são considerados foragidos da justiça

Foto: Montagem Fronteira Online
Legenda da foto

Policiais Civis e Militares desencadearam no início da manhã desta segunda feira, 01, uma operação para o cumprimento de 11 mandados judiciais expedidos pelo Poder Judiciário da Comarca de Salto do Lontra, sendo 6 de prisão preventiva e outros 5 de buscas domiciliares.

As diligências ocorrem de forma simultânea e sincronizada nos Estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, nas cidades de Barracão, Chopinzinho, Dois Vizinhos, Francisco Beltrão e Santo Antônio do Sudoeste, São Lourenço do Oeste e São Leopoldo.

Ao todo mais de 60 policiais participam da “Operação Muchachos”, como foi denominada, e que visa desarticular uma associação criminosa suspeita de diversos crimes de roubo ocorridos nos últimos meses na região Sudoeste do Paraná.

Segundo as informações obtidas através das diligências efetuadas pelas equipes policiais, em um dos casos, em 15 de maio e plena luz do dia, ao estilo “novo cangaço”, a quadrilha cometeu o roubo na agência Cooperativa Cresol na cidade de Nova Esperança do Sudoeste. Sendo que pouco mais de um mês depois, em 28 de junho, a associação criminosa voltou a atacar a mesma cooperativa, agora com a utilização de explosivos tentando abrir o cofre da agência.

Além do assalto à agência do banco Cresol, o grupo é suspeito de cometer vários roubos a residências e de veículos na região, em alguns casos as vítimas foram levadas como reféns para servirem como “escudos humanos” num eventual confronto com as forças de segurança. Os casos de roubos teriam ocorrido no interior de Francisco Beltrão, Guarapuava, Chopinzinho, Pinhão, Reserva do Iguaçu, Barracão, Santo Antônio do Sudoeste e Pranchita.

Segundo as investigações em meados de março de 2018, Elves Leandro Doardo, de 26 anos, Valderi Luis Ferreira do Santos, vulgo “Urso”, de 27, e Edson Neves de Lima, vulgo “Kauan”, de 24, que até então estavam presos na Penitência Estadual de Francisco Beltrão, conseguiram fugir e a partir dali se associaram com Daniel Souza de Quadros, vulgo “Preto”, de 31 anos e Elio Nicolas dos Santos, cidadão de nacionalidade Argentina, para o fim especifico de cometerem crimes.

O grupo também contava com o apoio logístico de Iliane Vieira Inácio, esposa de Valderi, suspeita de esconder e transportar parte das armas, emprestava seu veículo particular para o bando, além de permitir que se escondessem em sua residência após os roubos.

De acordo com a Polícia, a quadrilha, fortemente armada, costumava agir com grave ameaça e extrema violência, rendiam as vítimas e delas subtraiam dinheiro, joias, veículos e eletrônicos, mas a preferência era agir contra instituições financeiras e o roubo de camionetes de luxo, estas destinadas a Argentina.

Um grande arsenal de armas de fogo e munições foram apreendidas, como pistolas 9mm, rifles, espingardas diversas, revolver calibre .38, coletes balísticos, munições de calibres .22, .44, .38, 9mm, 7,62, um fuzil Mauser calibre 368 equipado com luneta, aumentando assim seu poder de precisão e uma submetralhadora INA, calibre .45 que é capaz de disparar mais de 600 tiros por minuto, além de cerca de 1kg de emulsão explosiva e 5 metros de cordel detonante, material este utilizado para arrombar cofres e caixas eletrônicos.

Durante a ação foram presos Daniel Souza de Quadros, Valderi Luis Ferreira do Santos, Edson Neves de Lima e Elio Nicolas dos Santos.

Segundo a polícia Elves Leandro Doardo, havia sido preso no início do mês de setembro na cidade de Guarapuava, mas fugiu no último dia 24. Ele e Iliane Vieira Inácio são considerados foragidos da justiça.

O Delegado Sandro Spadotto Barros, que preside os Inquéritos Policiais, enalteceu o trabalho da força tarefa composta por policiais civis e militares da região: “Nossos policiais civis e militares se dedicaram ao extremo na coleta de evidências de provas e na identificação dos suspeitos, um trabalho de excelência, um duro golpe contra a criminalidade”.

Por sua vez, o Comandante do 21° BPM, Major Edson, disse que “A Operação ‘Muchachos’ foi um sucesso, mostramos mais uma vez que a parceria entre as forças de segurança é o caminho a ser seguido, lado a lado com a Polícia Civil desarticulamos mais essa perigosa quadrilha, a qual estava aterrorizando a população das nossas pequenas cidades, levavam o medo, a destruição, e agora com a prisão desses indivíduos, restabelecemos a ordem que vinha sendo violada”.

“A operação teve ainda o apoio de diversas forças policiais e órgãos da justiça, como o Ministério Público e Poder Judiciário de Salto do Lontra, da Polícia Civil de diversas cidades e de colegas do 3° Batalhão de Pato Branco, 16° Batalhão de Guarapuava, BPFRON, Polícia Federal e da Polícia Militar de Santa Catarina, integração essa capaz de promover estes excelentes resultados que estamos aqui hoje a divulgar” complementou o Major Edson.

A denominação “Operação Muchachos” faz menção a relação da quadrilha com membros da Argentina, tendo em vista que o país vizinho era o destino final das camionetes roubadas, bem como era o local onde os bandidos ficavam homiziados após cometerem os crimes nas cidades brasileiras que fazem fronteira. Vale destacar também que “Muchachos” em espanhol significa “Rapazes” e era assim que os integrantes da quadrilha eram denominados pelo integrante argentino.

Quaisquer informação que possam ajudar a localizar Elves Leandro Doardo e Iliane Vieira Inácio, devem ser repassadas a polícia mais próxima ou através do 190.

Fronteira Online