X

Notícias

Apoio familiar e menos internet: a “volta por cima” de Egídio no Palmeiras

Esportes, Nacional
-
10/09/2017 10:14

Preservado por três partidas após erro na Libertadores, lateral-esquerdo supera "momento delicado" e volta ao time com pênalti cometido e boa atuação defensiva

Egídio voltou a ser titular do Palmeiras nesse sábado contra o Galo (Foto: César Greco / Ag. Palmeiras / Divulgação)
Legenda da foto

Muito trabalho na Academia de Futebol, com direito a elogios do chefe, apoio dos sociais. Foi assim que Egídio superou o “momento delicado” que vinha vivendo no Palmeiras e se preparou para, segundo as palavras do próprio lateral-esquerdo, dar a volta por cima no clube.

Após a eliminação do Verdão na Libertadores, Cuca tomou uma decisão: o treinador optou por preservar o lateral-esquerdo, que errou a última cobrança de pênalti do Verdão na eliminação contra o Barcelona de Guayaquil.

A decisão tirou o atleta dos holofotes em um período de perseguição de alguns torcedores. Mas, depois de ver de fora as partidas contra Vasco, Chapecoense e São Paulo, ele voltou ao time titular no último sábado, contra o Atlético-MG

– Foi um período muito delicado, mas segui de cabeça em pé. Não baixei a guarda, continuei trabalhando firme e acreditando no meu potencial. Não cheguei aqui em vão. Meus familiares estão comigo nos momentos bons e nos momentos ruins. Continuei trabalhando firme e me cuidando para voltar e dar a volta por cima. O Cuca entendeu isso, ele viu nos treinamentos, senão não teria me colocado – disse o jogador, que também comentou sobre como enfrentou o período de críticas.

– Eu já não era muito fã de rede social, depois disso daí eu abandonei, larguei e não acompanhei. Meu foco foi só trabalhar para voltar por cima e melhor. Queria ter voltado com uma vitória, mas esse empate ficou de bom tamanho pelas circunstâncias – acrescentou.

Um lance aos 26 minutos do primeiro tempo serviu para testar a personalidade de Egídio. O lateral chega atrasado em uma disputa com Alex Silva e comete pênalti. Na cobrança, porém, Fernando Prass defendeu chute de Fred e aliviou para os palmeirenses

– Quando aconteceu o pênalti fiquei de cabeça e erguida e falei que não ia me abater com isso – disse o camisa 6.

Contra o Atlético-MG, Egídio teve boa participação no sistema defensivo, assim como todos os companheiros. Pelo lado esquerdo, foi bastante exigido, principalmente após a entrada de Robinho, mas ajudou a equipe a aguentar a pressão atleticana e conseguir um ponto no retorno a São Paulo.

– Eu quero enaltecer o time, que foi sensacional. É difícil pra caramba jogar no Independência. Com menos um já era difícil, mas eles não tiveram nenhuma oportunidade clara no segundo tempo, nós tivemos. Poderíamos até ter matado o jogo… Ninguém aguenta o Atlético aqui dentro com menos dois (jogadores) sem nenhuma oportunidade deles. Isso mostra a união e a força do nosso time, que está fechado. Temos muito ainda pela frente ainda neste ano – avaliou o lateral.

Mesmo com dois atletas expulsos – Luan e Willian receberam cartão vermelho o Palmeiras ainda desperdiçou chances no fim do segundo tempo de marcar o segundo gol. Em uma delas, Egídio avançou em contra-ataque pela esquerda, e o lance terminou com finalização de Moisés defendida por Victor.

– Poderia ter saído (satisfeito) mais ainda se não tivesse escorregado naquela bola. Se não tivesse escorregado poderia até ter ganhado um pênalti. Foi um bom jogo. Sei que podemos render mais, eu também. Mas foi um jogo atípico ter menos dois. Acho que eu particularmente fui bem, e o time foi sensacional – afirmou o palmeirense.

A tendência é que Egídio volte a ter sequência na equipe titular do Palmeiras. Reserva imediato, Michel Bastos permaneceu em São Paulo no fim de semana para fazer um tratamento por causa de um problema no adutor. Elogiado por Cuca e por companheiros, o lateral tem 93 jogos pelo Verdão e contrato até dezembro de 2017.

GE