X

Notícias

Com currículo de conquistas no Grêmio, Thyere vê semelhança em vestiário da Chape

Esportes, Nacional
-
24/02/2018 14:45

Zagueiro revela ambientação com grupo da Chapecoense e espera repetir conquistas do Tricolor em Santa Catarina

Por Eduardo Florão, de Chapecó (SC)
Legenda da foto

Campeão da Copa do Brasil, da Libertadores e finalista do mundial. O currículo de Rafael Thyere é vasto, sobretudo nos últimos anos com a camisa do Grêmio, onde fez parte da base e atuou por sete anos. Emprestado à Chapecoense, o zagueiro está em busca de espaço e adaptação longe de Porto Alegre.

Não é a primeira vez que Thyere sai de seu clube para vestir outras cores. Em 2014, também foi emprestado pelo Grêmio para ganhar bagagem e defendeu as cores do Boa Esporte e do Atlético-GO. Novamente em busca de novos ares, o defensor já se sente em casa. Nos vestiários da Arena Condá, a sensação é de acolhimento e lembranças dos momentos de felicidade conquistados no Tricolor Gaúcho.

– Falo de coração, não tenho porque fazer média, o grupo é muito bom. Todos são muito receptivos. Desde quem limpa o vestiário até o presidente. Os atletas, nem se fala. Fico mais com eles do que com a família. Tem muito respeito um ao outro no vestiário. Eu espero que isso tenha continuidade. No Grêmio tinha isso e olha o que conquistamos lá. Isso que tem lá, eu vejo que tem aqui também – revelou ao GloboEsporte.com.

O zagueiro demorou para fazer a estreia com a camisa verde e branca. Isso porque disputou o mundial interclubes pelo Grêmio, na metade de dezembro, e precisou cumprir trinta dias de férias antes de voltar aos campos. Quando finalmente foi liberado, deparou-se com uma grande concorrência: a dupla de zaga formada por Douglas e Fabrício Bruno, considerada a titular, ainda não sofreu gols nesta temporada.

– Quando eu vim falaram muito isso (ser titular), sempre disse que não era assim. Independente de Mundial, Libertadores, aqui têm atletas qualificados. Eles estavam aqui com o Gilson no ano passado e ainda não tinham perdido. Começou o campeonato e não tomaram gol. Tem que trabalhar todos os dias, mostrar o que eu quero aqui, independente de quem está jogando, respeitando o Fabrício, Douglas, o Nery que chegou, o Hiago, da base. Sempre fiz isso. No Grêmio também era assim. Sempre disse que ia buscar meu espaço. Só posso mostrar onde vou jogar no campo. Vou dar sempre meu máximo e dar 100%. Titular e reserva é na mão do treinador.

Com 24 anos, Rafael Thyere foi titular nos dois últimos jogos da Chapecoense, contra Figueirense e Avaí, quando o time não sofreu gols. Até o momento, foram quatro partidas e um tento marcado com a camisa alviverde.

Confira outros trechos da entrevista com o zagueiro:

TITULARIDADE NOS ÚLTIMOS JOGOS
Cheguei no meio da pré-temporada. Sabia que ia pintar oportunidade e eu tinha que estar preparado. As coisas foram acontecendo, fiz o gol, em Floripa o Fabrício não pode jogar, eu joguei. O futebol não avisa, então tem que estar pronto. Sempre busquei espaço e me preparei, porque sabia que em um momento ia precisar. Único lugar que eu posso mostrar que sou bom é no campo, nas palavras é fácil falar que vim do Grêmio, que ganhei Libertadores, mas é no campo. Pessoal me recebeu bem. Faz dois meses, mas parece que faz anos.

CONQUISTA DA RECOPA PELO GRÊMIO
Pessoal me mandou muitas mensagens. Não sou muito da rede social, eu não cuido muito, porque às vezes tem desrespeito, mas o pessoal que cuida me manda. Muitas pessoas com camisas minhas e amigos mandaram mensagens. Me sinto parte (da conquista), porque fizemos um ano maravilhoso. Não estava lá, mas sei que tenho parte nessa construção da Recopa. Fico feliz pelos amigos que tenho lá. Parabenizei todos pelo título. Foi muito merecido. Espero conquistar, se não tudo que foi lá, mas dar muita alegria aqui. Estou feliz que venho atuando e que a equipe tem conseguido os resultados.

META NO ESTADUAL
O Catarinense é um dos melhores campeonatos, pois tem cinco grandes. Todos podem chegar ao título. Como atleta tem que pensar no título, em vencer, se não pensar, está na profissão errada. O Catarinense é um objetivo nosso, vamos lutar de todas as formas. Nossa equipe está conseguindo. Falamos isso, de poder ser tricampeão. Vamos buscar com todas as forças.

BOM MOMENTO DA DEFESA VERDE E BRANCA
É muita concentração. A equipes que vêm jogar contra nós marcam e buscam o contra-ataque. Temos posse de bola e atacamos, mas não pode descuidar da marcação. É atacar marcando. Sempre encaixado para não perder a bola e sofrer contra-ataque. Para isso tem que estar concentrado. Independente do adversário, sempre entramos assim. Damos poucas chances para o adversário, é a entrega de todos. O pessoal aqui compra a briga, o grupo está determinado, isso é importante. Se entrar devagar em um jogo, qualquer equipe, independente, pode buscar o gol.

GE