X

Notícias

Crise, retomada e liderança: em alta, Guto Ferreira completa 100 dias no Inter

Esportes, Nacional
-
08/09/2017 09:51

Técnico reencontra Juventude, adversário em seu primeiro jogo pelo Colorado, em novo momento. Após início turbulento, estabilizou o time e conseguiu seis vitórias seguidas pela Série B

Guto Ferreira completa 100 dias como técnico do Inter nesta sexta (Foto: Tomás Hammes)
Legenda da foto

A sexta-feira marca os primeiros 100 dias de Guto Ferreira no comando do Inter. Desde que assumiu o time no lugar de Antônio Carlos Zago, em 1º de junho, o técnico viveu momentos distintos no Beira-Rio. Após um início turbulento, com ameaça de demissão, encontrou uma formação ideal e assumiu a liderança da Série B. Agora, busca manter o bom momento, alcançar a sétima vitória consecutiva na competição e se firmar na ponta da tabela.

A fase mostra um técnico mais leve no dia a dia. A cada treinamento, Guto se dirige ao reservado para conversar e brincar com os jornalistas. Na tarde da última quinta-feira, de aniversário, ao ser cumprimentado, mostrou bom humor: “52 com corpinho de 18”. Também questiona sobre a atividade e pergunta sobre o que acharam do rendimento. Nos trabalhos, cobra os jogadores e para as atividades para corrigir posicionamento. Uma prova de que ainda não está totalmente satisfeito com o rendimento.

Relembre os principais momentos de Guto no Inter:

Guto desembarcou em Porto Alegre e foi apresentado no dia 1º de junho. E não demorou muito tempo para tomar sua primeira medida: sacar William do time. O lateral já estava negociado com o Wolfsburg, da Alemanha. E o técnico entendeu que não adiantava contar com alguém que logo sairia e sem o mesmo foco do restante dos companheiros.

Dois dias depois da apresentação, Guto já comandava o time pela primeira vez. O adversário? Justamente o Juventude, rival deste sábado. Após abrir o placar no Beira-Rio com Nico López, o Inter levou o empate com Tiago Marques. E só não tomou o segundo gol por falta de tempo, como destacou o técnico após a partida.

– O time cansou e, no fim, agradecemos que acabou. Este ponto pode fazer a diferença no fim – afirmou à época.

Enquanto o treinador concedia entrevista, a torcida bradava no pátio do Beira-Rio. Em uma cena corriqueira no último ano, colorados protestavam e promoviam um tumulto. O resultado mantinha o time na 10ª colocação na tabela da Série B, distante da zona de acesso.

Guto permaneceu invicto nos primeiros sete jogos pelo Inter, mas nem de longe teve tranquilidade. Após o terceiro empate consecutivo e com rendimento pífio, contra o Paraná, o técnico viu seu trabalho ser contestado publicamente. E logo por um jogador.

Ceará, que não atuava há quatro meses (o último jogo tinha sido na derrota por 2 a 1 para o Novo Hamburgo pelo Gauchão), fora alçado à titularidade. Mas acabou sacado no intervalo para a entrada de Valdemir. Após a partida, o lateral-direito deixou clara a surpresa pelo ocorrido.

– Fiquei surpreso. Não esperava. Não tivemos treino da equipe que jogaria. Eu até tinha expectativa de jogar por ter saído um pouco antes do treino, poderia acontecer, mas fiquei sabendo na última refeição.

O incidente abreviou a segunda passagem de um dos heróis do Mundial de 2006. Dias depois, a direção e Ceará decidiram rescindir o contrato meio ano antes do final.

Para aprimorar o condicionamento físico, unir o grupo e conhecer melhor os jogadores, o técnico decidiu levar o Inter para um resort em Viamão, na região metropolitana de Porto Alegre. A delegação ficou enclausurada em uma rotina de treinos fechados para o confronto com o Boa Esporte, pela 11ª rodada da Série B.

Esperava-se um crescimento. O que se viu em campo, no entanto, foi justamente o contrário. O time teve um rendimento ruim e perdeu para os mineiros por 1 a 0, em pleno Beira-Rio. O resultado disso? Novos protestos da torcida e quebra-quebra após a partida.

Na semana seguinte, o treinador repetiu a estratégia de treinos em Viamão. Mas decidiu permitir que a imprensa acompanhasse a movimentação. No duelo com o Criciúma, mais uma vez, frustração. Após sair atrás noplacar, o Colorado só empatou nos acréscimos, aos 47 minutos do segundo tempo, com Klaus.

Enquanto convivia com problemas do time em campo, Guto também viu seu nome envolvido em uma polêmica fora dele. Durante a entrevista coletiva após a vitória por 1 a 0 sobre o Luverdense, na 15ª rodada, o técnico foi questionado sobre a pontaria dos atacantes colorados pela repórter Kelly Costa, da RBS TV, e disparou:

– Eu não farei essa pergunta a você porque você é mulher e, de repente, não jogou.

A declaração de Guto inundou as redes sociais com críticas ao comandante colorado, acusado de machismo. Após a conferência, o treinador rumou até a zona mista para encontrar a repórter e se desculpar. No dia seguinte, em entrevista ao SporTV e ao Globo Esporte, o técnico voltou a pedir desculpas, desta vez publicamente.

A rotina de oscilações teve seu ápice quatro dias depois, quando o time perdeu por 2 a 1 para o Vila Nova, em Goiânia. O time caiu uma posição na tabela e passou a ocupar a sexta posição, com 26 pontos. Após a partida, o vice de futebol Roberto Melo demorou mais de 30 minutos para conceder sua coletiva. Questionado se o trabalho de Guto seria abreviado, descartou a saída, mas deu prazo para o crescimento na competição:

– O Guto continua. Temos dois jogos importantíssimos no Beira-Rio na sequência – bancou Melo, para pouco depois dar um ultimato ao treinador. – Temos a obrigação de evoluir nos dois jogos em casa para sair no jogo fora e terminar o turno no G-4. Temos que arranjar força, capacidade, a torcida vai cobrar, temos obrigação de conseguir a vitória terça-feira – declarou à época.

O cenário apontava para uma repetição de um enredo comum no Beira-Rio nos últimos tempos: a troca de treinador. Entretanto, a pressão surtiu efeito. O time, enfim, deslanchou. O Inter não só venceu as duas partidas seguintes no Beira-Rio, contra Oeste e Guarani, como encarreirou outras quatro vitórias consecutivas pela Série B, com 16 gols marcados e apenas três sofridos no período.

O rendimento impulsionou o Inter para o topo da tabela, com 42 pontos, um à frente do América-MG, o vice-líder, e sete a mais que o Paraná, atual quinto colocado e primeiro fora da zona de classificação à Série A.

Mesmo que tenha perdido por 1 a 0 para o Atlético-MG e sido eliminado da Primeira Liga (quando utilizou uma formação reserva), Guto hoje goza de prestígio. A tranquilidade e confiança estão recuperadas. Os gradis, que antes circundavam o pátio do Beira-Rio para tentar evitar os protestos, já não são mais necessários.

A nova fase tem muito a ver com o fato de Guto, enfim, ter encontrado um time ideal e um esquema bem definido, no 4-1-4-1. Nas últimas quatro partidas pela Série B (vitórias por 2 a 0 sobre Guarani, 3 a 1 no Londrina, 3 a 0 no ABC e 3 a 2 no Paysandu), repetiu a mesma formação.

O Inter ideal do técnico tem Danilo Fernandes; Cláudio Winck, Klaus, Víctor Cuesta e Uendel; Rodrigo Dourado, Edenílson e D’Alessandro; William Pottker, Leandro Damião e Eduardo Sasha.

Algo que não poderá se repetir neste sábado em razão da suspensão de Rodrigo Dourado e o edema na coxa direita de D’Alessandro. A dupla será substituída por Charles e Felipe Gutiérrez, respectivamente.

Nessa retomada, Guto também conseguiu recuperar jogadores. O caso mais marcante é o de Eduardo Sasha. Um dos jogadores rotulados pelo rebaixamento, o atacante, recuperado de cirurgia no tornozelo direito, voltou a ser titular e um dos pilares da equipe. Já marcou três gols em 13 partidas com o treinador. Além da pontaria, se destaca pela movimentação e a ajuda ao sistema defensivo.

Outro que ganhou destaque foi Klaus. O zagueiro virou o parceiro de Víctor Cuesta na zaga e colocou o time como a segunda melhor defesa da competição, com apenas 16 gols sofridos em 22 rodadas, o que dá uma média de 0,72 por jogo. De quebra, ainda virou goleador. Com quatro gols, só está atrás de William Pottker entre os artilheiros colorados sob a batuta do atual técnico.

Completa o quadro Cláudio Winck. Após um período no Inter B, foi promovido e se firmou como o titular da lateral direita. Já balançou a rede em uma oportunidade e participou de 10 partidas, o que fez a direção ampliar o seu vínculo em mais uma temporada.

Em 20 partidas pelo clube, Guto soma 11 vitórias, com cinco empates e quatro derrotas, o que representa um aproveitamento de 63,33%. O time marcou 30 gols e sofreu 15. Pottker é o artilheiro, com seis. D’Alessandro é quem mais deu assistências: também seis. O técnico utilizou 34 jogadores até o momento. Danilo Fernandes participou de 19 partidas e foi o atleta que mais entrou em campo com o treinador.

GE