X

Notícias

Emocionado, Tulio dedica vitória às vítimas da Colômbia: “Melhor homenagem”

Esportes, Nacional
-
22/08/2017 11:32

Atacante da Chapecoense fala sobre colegas mortos na queda do avião após triunfo sobre o Palmeiras, no mesmo estádio em que a Chapecoense disputou último jogo antes da tragédia

Tulio de Melo em ação contra o Palmeiras: atacante marcou o gol aos 49 minutos do segundo tempo (Foto: Marcos Ribolli)
Legenda da foto

A vitória da Chapecoense sobre o Palmeiras por 2 a 0 serviu mais do que tirar o Verdão do Oeste da zona de rebaixamento. Serviu para relembrar e representar as 71 vítimas da tragédia na Colômbia, em novembro do ano passado. Foi na mesma arena do Palmeiras que aquele time, prestes a disputar a final da Copa Sul-Americana, entrou em campo pela última vez. Emocionado, Tulio de Melo, autor de um dos gols, falou sobre isso. Para ele, a partida mostrou o espírito da equipe que vinha de derrotas para o Barcelona e Urawa Red, após o tour na Europa e Japão que durou duas semanas.

Ribolli)

– Foi um jogo de superação, ninguém acreditava nesse resultado, mas quando o grupo crê, tudo é possível. A gente falou que iria vir aqui e voltar com um resultado bom. Vacilamos em outros jogos e tínhamos que pagar essa dívida. No último estádio que os guerreiros da Chape jogaram, essa vitória foi uma homenagem para eles. Importante para a gente era vencer pelo que representava no campeonato e para a história da Chapecoense. Os guerreiros que se foram, jogaram aqui e não tinha maneira melhor de homenagear a família deles, as pessoas que mais sofrem – disse Tulio à Rádio Super Condá.

Tulio de Melo foi importante não só ao marcar o gol que decretou a vitória, mas no esquema tático montado pelo técnico Vinícius Eutrópio. Além de jogar mais avançado, Tulio também recompôs o meio campo nas investidas do adversário. O atleta aproveitou a vitória para desabafar contra os críticos.

– Foi para mostrar, para confirmar para nós mesmos que temos condições. Esse é o espirito, esse é o espírito da Chape. Com certeza foi um divisor de água. Vínhamos de resultados ruins nos campeonatos. Ficamos duas rodadas sem jogar no Brasileiro. Quem brigava com a gente ali embaixo, ganhou. Era importantíssimo vencer. Mais de 95% das pessoas não acreditava na gente. Aqui não tem ninguém roubando, ninguém de sacanagem. Estamos dando nosso melhor, pelas nossas famílias, pela cidade, pelos torcedores.

GE