X

Notícias

Ex-comandante do Exército em SC é cotado para ser o secretário de Segurança do Rio

Geral, Notícias, Segurança
-
25/02/2018 15:13

 Segurança

Foto: Felipe Carneiro / Agencia RBS
Legenda da foto

O general de divisão Richard Fernandez Nunes é o mais cotado para ser Secretário de Segurança do Rio de Janeiro durante a intervenção federal. O general de Exército Walter Souza Braga Netto, interventor federal e comandante militar do Leste, anunciará na próxima terça-feira 27 um general da ativa para comandar a secretaria. Nunes foi comandante da corporação em Santa Catarina entre 2014 e 2016. Ele esteve à frente da 14ª Brigada de Infantaria Motorizada, responsável pelos 10 quartéis do Exército no Estado. No tempo em que esteve em SC, comandou ações da corporação durante as Olimpíadas no RJ.

Embora ainda não haja um anúncio oficial, conforme o site G1, o nome do general foi confirmado para assumir o cargo, na noite desta quinta-feira 22, pela TV Globo, com fontes do Gabinete de Segurança Institucional (GSI).

O policial pediu exoneração da chefia da secretaria na semana passada, assim que o presidente Michel Temer decretou a intervenção na segurança do Estado. Ao lado do general Richard Nunes deverá ser nomeado o também general Mauro Sinott Lopes.

De acordo com a apuração, o general Richard Nunes vai cuidar da gestão, enquanto o general Sinott tratará da operação. Os nomes para ocupar as chefias das polícias Civil e Militar ainda não foram definidos. A ideia é que os novos chefes sejam integrantes das duas corporações e não militares das Forças Armadas.

Braga Netto passou a semana em Brasília, em despachos com a cúpula das Forças Armadas sobre o planejamento da intervenção, e tinha volta prevista para o Rio para a noite desta quinta-feira 22. Sua agenda não foi divulgada. O interventor deve continuar com a rotina de reuniões fechadas no Palácio Duque de Caxias, sede do Comando Militar do Leste. Ele decidiu manter seu gabinete no palácio durante o prazo da intervenção, até o fim deste ano.

Auxiliares do interventor explicaram que ele passou os últimos dias levantando nomes para compor a secretaria. Por questão hierárquica e de disciplina, o militar optou por escolher generais para os postos-chave, afirmaram. Assim, militarmente, o comando da secretaria manterá a estrutura de subordinação dos demais órgãos, uma vez que o comando-geral da Polícia Militar cabe a um coronel, posto mais alto da carreira, e os batalhões são comandados por tenentes-coronéis.

De acordo com assessores, Braga Netto não decidiu ainda os nomes abaixo do secretário, nem se vai nomear generais para o comando direto da PM e dos Bombeiros e para a chefia da Polícia Civil. Ele também avalia se vai convocar generais da reserva para cargos de confiança. Como boa parte da formação dos oficiais do Exército ocorre em instituições no Rio, o general deve montar uma equipe com vivência na cidade.

Currículo

O general Richard Fernandez Nunes é natural do Rio de Janeiro. Desde setembro de 2016, é comandante da Escola de Comando e Estado Maior do Exército (ECEME), na Urca. Ele foi promovido de posto anteontem, por tempo no cargo, passando de general de brigada para general de divisão, o chamado “três estrelas”.

Nunes formou-se em Artilharia na Academia Militar das Agulhas Negras e Direito na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Ele tem mestrado em Ciências Militares na ECEME e foi professor da Academia Militar de West Point, nos Estados Unidos. Em Madri, na Espanha, concluiu o Curso de Altos Estudos Estratégicos no Centro Superior de Estudos da Defesa Nacional. Serviu em missão das Nações Unidas na Guatemala.

Antes da ECEME, o general coordenou ações de defesa química, biológica, radiológica e nuclear durante a Copa das Confederações Fifa 2013. Também comandou a 14ª Brigada de Infantaria Motorizada em Florianópolis (SC). Por três meses, comandou o 5º contingente da Força de Pacificação no Complexo da Maré, em 2015.

DC