X

Notícias

Família brasileira em Saint Martin não retorna contatos desde a passagem do furacão, diz prima

Notícias
-
11/09/2017 09:55

Casal e uma criança estão entre os 57 brasileiros isolados nas ilhas da Caribe desde a passagem do furacão Irma. Itamaraty vai enviar um avião da FAB na próxima terça-feira, 12, para buscar os brasileiros que estão na ilha

Mariana, que está grávida, Giovana e Rafael em St Martin, no último dia 3 de setembro. Três dias depois, o furacão Irma passou na ilha (Foto: Arquivo Pessoal )
Legenda da foto

 

A família da ginecologista Mariana Fischer, de 33 anos, tenta contato com ela desde quinta-feira, 7, sem sucesso. De férias, Mariana viajou para a ilha de Saint Martin com o marido, Rafael Forno, e a filha de 3 anos do casal, Giovana, quando o furacão Irma atingiu o local. Mariana reside em Novo Hamburgo, na região do Vale do Sinos, Rio Grande do Sul.

A ilha foi atingida na quarta-feira, 6, pelo furacão, que deixou boa parte da região destruída. Na noite deste domingo, 10, o Ministério de Relações Exteriores informou que, com a melhora das condições do tempo, o governo brasileiro vai enviar um avião da Força Aérea Brasileira (FAB) para resgatar os brasileiros que se encontram na ilha de Saint Martin, e que isso deve ocorrer na próxima terça-feira, 12.

De acordo com a nota, o governo brasileiro fez contato com o governo do Reino Unido para poder utilizar o aeroporto do lado britânico da ilha, onde as condições climáticas estão mais favoráveis.

No início da manhã, o Itamaraty ainda não confirmava a retirada dos brasileiros das ilhas do caribe.

Mariana está entre os 35 brasileiros que estão na ilha franco-holandesa de Saint Martin, segundo o Ministério de Relações Exteriores. Ainda há 20 nas ilhas de Turks e Caicos, e dois em Tortola, ambas de colonização britânica, todas na região do Caribe.

Por meio de nota, enviada pela assessoria de imprensa nesta manhã, a pasta confirmou que “está trabalhando em regime de plantão, juntamente com o Núcleo de Assistência a Brasileiros do Ministério, em Brasília”. Durante o dia foi montado um núcleo de atendimento emergencial na área consular do Itamaraty em Brasília, que vem operando presencialmente desde a eclosão da crise.

A nota diz ainda que até o momento, o núcleo de atendimento e os postos no exterior já receberam centenas de ligações e mensagens de brasileiros que se encontram nas regiões afetadas e de seus familiares e amigos. “Graças a esta rede de contatos, vêm sendo superadas as dificuldades de comunicação causadas pela interrupção das linhas em algumas regiões e, sobretudo, pela inexistência de postos da rede consular brasileira, de carreira ou honorários, nas três ilhas”.

A família de Mariana, em contato com o telefone de emergência do Itamaraty, recebeu a notícia de que haveria uma previsão, ainda não confirmada, de resgate dos brasileiros, na próxima terça-feira. Essa informação foi confirmada pelo Itamaraty, por meio de nota , na noite deste domingo.

Enquanto isso, a família segue apreensiva em busca de notícias. Mariana está grávida de quatro meses. Chegou a St Martin em 1º de setembro, junto com Rafael e a filha, para 10 dias de férias. O último contato deixou os parentes preocupados.

“Ela mandou mensagem de áudio chorando, dizendo que foi horrível e que eles estavam em uma situação crítica, assustadora. Comendo biscoito e tomando água enquanto houvesse estoque. Depois desse áudio, não tivemos mais notícias deles”, revela Fernanda Fischer, prima de Mariana, em entrevista ao G1.

Ela, juntamente com seis primos, a mãe de Mariana, as duas tias e até a avó, de 85 anos, estão mobilizados desde então para buscar informações sobre a situação da família.

“Todas as notícias que a gente tem vêm através de sites e notícias”, afirma Fernanda. As últimas informações que receberam dão conta de que os americanos presos na ilha estão sendo resgatados pelo governo norte-americano desde sábado, 9. “E os brasileiros continuam lá. A gente fala com o Itamaraty, mas eles não agem”, critica.

A família da médica está em contato com outros familiares de brasileiros nas ilhas. Também já ligou para a Embaixada da Holanda e da França. Eles seguem qualquer pista que possa levar a mais informações.

“Vi uma notícia na internet sobre pessoas de Curitiba que estavam lá, no mesmo hotel da Mariana, dizendo que também há três crianças”, acrescenta Fernanda.

Na noite deste domingo, Fernanda conseguiu notícias da prima através de um brasileiro. Ele contou que o hotel onde Mariana e a família estavam foi totalmente abandonado, inclusive pelos funcionários. Este brasileiro levou ela e a família para outro hotel. Mariana teria tentado deixar a ilha num avião holandês, mas não conseguiu. O brasileiro entrou em contato com Fernanda após ir para Curaçao, outra ilha do Caribe.

Fernanda também tentou entrar em contato com a irmã da youtuber Lorrayne Mavromatis, pois desconfiou que a prima pudesse estar com ela. “Estamos tentando de tudo”, garante.

A youtuber brasileira é de Ribeirão Preto (SP), é fotógrafa e mora há um ano na ilha de Saint Martin, onde seu marido estuda Medicina. Ela vem registrando a destruição provocada pelo furacão nas redes sociais. Neste domingo, 10, ela publicou um pedido de ajuda no perfil do Instagram.

“O furacão Irma levou tudo que via pela frente. O governo Brasileiro está planejando mandar mantimentos. Mas NENHUM plano de evacuação. A Venezuela está vindo resgatar nossos amigos. EUA está indo e saindo há dois dias. Mas NADA de planos para nós. Por favor. Nos ajudem!”, escreveu Lorrayne.

G1