X

Notícias

Fé à moda antiga: freiras recebem cartas de devotos de Aparecida

Geral, Notícias
-
21/09/2017 09:45

Três feiras fazem a leitura das correspondências enviadas ao maior templo católico do país, onde fica a imagem da padroeira. Cartas vêm até de presídios

Fé à moda antiga: Santuário de Aparecida responde duas mil cartas por mês (Foto: Camilla Motta/ G1)
Legenda da foto

Entre as muitas maneiras de expressar a fé em Aparecida, escrever cartas ainda é o caminho escolhido pelos devotos. Todo mês o Santuário Nacional de Aparecida, onde fica a imagem da padroeira, recebe em média 2 mil correspondências com relatos de fé, pedidos e agradecimentos – o número é 53% maior do que o volume de emails que chegam à basílica todos os meses.

Quem recebe as cartas são as freiras Cleamaria Simões, de 84 anos, Geni da Silva, de 74 anos, e Maria Aparecida Menzato, de 75 anos. Todos os dias elas se reúnem em uma sala na basílica com a missão de ler o desabafo dos fiéis – que vêm até do exterior.

Entre os temais mais recorrentes, as irmãs dizem que estão saúde, desemprego e problemas familiares. As correspondências são enviadas por fiéis de todos os estados e até de outros países.

“Tem gente que não sabe como vai pagar as contas ou como lidar com algum familiar. Também recebemos pedido de orientação para relacionamentos de casal, problema de saúde e até cartas de presidiários. Mas também não podemos esquecer das histórias de milagres, recebemos muitas sobre as bênçãos de Aparecida”, contou a irmã Geni.

Sensibilidade

As freiras contam também que amam o trabalho e que não têm como não se envolver com as histórias que chegam.

“Esse trabalho intensifica nossa fé também. Vemos que existem muitas pessoas motivadas pelos milagres, que têm fé”, contou a irmã Maria Aparecida.

Cada freira fica dois anos na função – elas fazem revezamento na atividade. A coordenadora do núcleo de relacionamento da Campanha dos Devotos, Ana Carolina Bombachi, conta que o trabalho exige muita sensibilidade e responsabilidade, por isso são nomeadas religiosas para a função.

“A maioria das pessoas é simples, muita gente de zona rural que ainda não tem acesso à internet ou não sabe usar a ferramenta. As irmãs fazem o trabalho de atender esse público da melhor forma”, afirmou.

Após a leitura, as cartas são enviadas para o setor mais adequado – de acordo com a demanda do fiel. As cartas de agradecimento são respondidas com respostas pré-elaboradas, mas há aquelas que precisam de uma orientação ou uma resposta mais elaborada e são entregues a um padre.

G1