X

Notícias

Forças Armadas e polícias Civil e Militar fazem operação na favela da Kelson’s, na Zona Norte do Rio

Geral, Notícias
-
20/02/2018 09:00

Agentes já ocupam, desde a noite de segunda-feira, 19, diversas regiões do estado. Ação das forças de segurança é considerada a maior desde a vigência do decreto da GLO, em julho do ano passado

Militares fazem operação no Rio de Janeiro na manhã desta terça-feira, 20, (Foto: Reprodução/ TV Globo)
Legenda da foto

As Forças Armadas e agentes das polícias Civil e Militar realizam, na manhã desta terça-feira, 20, uma operação na comunidade Kelson’s, na Zona Norte do Rio. A ação integrada das forças de segurança teve início na noite desta segunda, 19, com a ocupação do Arco Metropolitano e de rodovias que vêm de outros estados e passam pelo Rio de Janeiro, como a BR-116, na Baixada Fluminense.

De acordo com o Comando Militar do Leste (CML), também há uma terceira linha de ocupações de acesso às comunidades do Salgueiro, em São Gonçalo, e do Chapadão e Pedreira, na Zona Norte do Rio.

“Trata-se, então, da maior operação já realizada pelas Forças Armadas, pelas forças de segurança integradas desde o início das operações em julho do ano passado. Em termos de ocupação de espaço, vem desde as divisas do estado até o interior da cidade do Rio de Janeiro e em três linhas de ocupação”, afirmou o coronel Roberto Itamar, porta-voz do Comando Militar do Leste.

A favela da Kelson’s fica ao lado do Centro de Instrução Almirante Alexandrino (CIAA), considerado o maior e mais diversificado centro de formação de praças da Marinha do país. Desde o começo do ano, a segurança no local foi reforçada após dois episódios de ameaças aos militares.

A ação é coordenada pela Secretaria de Segurança do Estado do Rio de Janeiro no contexto da Garantia da Lei e da Ordem (GLO) e conta com o apoio de homens do Batalhão de Ação com Cães (BAC), Batalhão de Operações Especiais (Bope) e Grupamento Aeromóvel (GAM).

A operação estava programada antes do decreto presidencial de intervenção da Forças Armadas na segurança do Rio de Janeiro. A ação começou no início da noite desta segunda-feira, 19, com a ocupação e instalação de vários pontos de bloqueio nas rodovias federais que cortam o Estado do Rio.

Algumas vias e acessos nessas áreas podem ser interditados e setores do espaço aéreo poderão ser controlados, oportunamente, com restrições dinâmicas para aeronaves civis. Não há interferência nas operações dos aeroportos.

No Centro Integrado de Comando e Controle (CICC), na Cidade Nova, representantes de todas as instituições envolvidas nas operações estão acompanhando e orientando, em tempo integral, os desdobramentos, desde as 5h.

Militares ameaçados

Segundo relatos de militares, numa manhã de janeiro, um criminoso armado com uma pistola sentou no muro que separa o quartel da favela e ordenou que os recrutas parassem a atividade física porque o barulho estava incomodando. Em outro dia, tiros foram disparados para dentro da unidade e atingiram as instalações do centro.

Os militares suspeitam que o homem que fez as ameaças de cima do muro seja integrante da facção que controla a Kelson’s. O inquérito que investiga os fatos foi aberto pela Marinha no fim de janeiro.

Favela foi visitada por Madre Teresa de Calcutá

Em 1982, a favela da Kelson’s recebeu a visita de Madre Teresa de Calcutá. Na época, a comunidade nem de longe parecia o que é hoje: 800 barracos de madeira onde se abrigavam cerca de 4 mil moradores em situações de pobreza extrema. Madre Teresa, que foi prêmio Nobel da Paz em 1979, foi à comunidade abrir um convento para atender os moradores.

Na época da visita, a Kelson’s, nome da fábrica que existe na região, se chamava comunidade Marcílio Dias, uma homenagem ao marinheiro da Armada do Império brasileiro.

Em 2006, a favela chegou a ser ocupada por uma milícia que expulsou traficantes de drogas da comunidade. Quatro anos depois, traficantes expulsaram os milicianos. A comunidade tranquila visitada por madre Teresa, atualmente, tem barreiras que dificultam o acesso das pessoas à região.

G1