X

Notícias

Mãe de aluno pede desculpas à professora agredida em escola

Geral, Notícias
-
14/09/2017 11:33

Marcia Friggi aceitou os pedidos e pediu a mãe que não desista de buscar a ressocialização do adolescente

Foto: Lucas Correia / Jornal de Santa Catarina
Legenda da foto

Uma nova audiência no Fórum de Indaial, no Vale do Itajaí, ouviu a professora Marcia Friggi, agredida no rosto por um aluno, a irmã dele, uma aluna da turma, a secretária e diretora da escola na tarde de quarta-feira, 13. Em defesa do aluno, a irmã relembrou que ele foi vítima de violência doméstica quando criança, como mostrou o Bom Dia Santa Catarina desta quinta, 14.

A agressão foi registrada no dia 21 de agosto em uma escola. O adolescente de 15 anos está internado provisoriamente no Casep de Blumenau desde o dia 29 de agosto.

A professora já está sem as marcas no rosto da agressão. Entre um depoimento e outro, a mãe do adolescente pediu desculpas à professora agredida pelo filho dela. Por sua vez, a professora aceitou os pedidos e pediu a mãe que não desista de buscar a ressocialização do adolescente.

Marcia, a secretária, diretora e aluna praticamente repetiram o que tinham dito ao delegado que investiga o caso. Relembraram que a professora chamou a atenção do aluno, ele retrucou com um palavrão, e ela pediu pra ele sair da classe. Na sala da direção, o adolescente negou o ocorrido e deu um soco no rosto da professora. A audiência durou cerca de uma hora.

A sentença da juíza deve sair nos próximos dias. Ela pode absolver o adolescente, determinar medidas socioeducativas ou pedir que ele permaneça internado no Casep por até três anos.

O Ministério Público quer que o adolescente seja responsabilizado pela lesão corporal e também por ofender a honra da professora.

O advogado dele entrou com um pedido de habeas corpus no Tribunal de Justiça para que o adolescente aguarde o julgamento em liberdade, mas o mérito desse pedido ainda não foi apreciado pela Câmara do TJ.

No final de agosto, advogado Diego Valgas, da defesa do adolescente afirmou que o cliente lhe contou que a professora o xingou várias vezes nos momentos anteriores à agressão. “Ele tem demonstrado bastante arrependimento. Perdeu a cabeça, nada justifica a atitude que ele tomou”, afirmou o advogado.

O advogado afirmou que o adolescente sofreu agressões desde que era um bebê. “Todo o período em que ele viveu com o pai era obrigado a defender a mãe. O pai chegava embriagado, batia muito na mãe, ele tinha que defender. Em um determinado dia, ele foi interferir e o pai ficou com muita raiva. Bateu muito dele e ele ficou por dois dias em coma. Nessa época, eles moravam no Mato Grosso. A mãe dele saiu fugida, veio morar em Indaial, onde buscou abrigo em casas de amigos e familiares. Logo na sequência, trouxe o filho. Houve novo casamento e agora o padrasto é referência paterna para ele”, relatou.

G1