X

Notícias

Mãe é suspeita de estuprar a filha, polícia prende pai por omissão

Notícias, Policial
-
28/02/2018 09:52

Investigação começou em outubro, após criança relatar o caso a professora em aula de educação sexual. Menina tem 9 anos e está com a avó paterna. Mãe não foi encontrada, diz polícia

Homem foi preso suspeito de abusar da própria filha em Hidrolândia (Foto: Paula Resende/G1)
Legenda da foto

A Polícia Civil prendeu nesta segunda-feira, 26, um produtor agropecuário de 43 anos suspeito de ser conivente com abusos sexuais da própria filha, de 9 anos, em Hidrolândia. Segundo as investigações, a mãe da criança era quem cometia o crime. A mulher não havia sido localizada até a última atualização desta reportagem. Ela tem 33 anos e está grávida.

O fato começou a ser apurado em outubro, após a criança relatar o caso a uma professora durante uma aula de educação sexual. Em depoimentos dados durante as investigações, o produtor agropecuário e a mulher negaram o crime.

“Em dez anos de polícia não tinha visto algo parecido, menina sendo abusada pela mãe com a omissão do pai. Ele tem a obrigação de impedir e não o fez. Por isso, também foi indiciado por estupro de vulnerável”, disse o delegado Diogo Rincón.

Investigação

As investigações duraram quatro meses. “Essa história começou quando a menina, ao ver um vídeo de educação sexual na escola, contou para a professora, que levou o caso ao Conselho Tutelar, que por sua vez denunciou à polícia. A suspeita é que esses abusos vinham acontecendo há dois anos”, disse o delegado.

Diante da prisão do pai, a criança se mudou para a casa da avó paterna. “Os abusos aconteciam, a princípio, dentro da casa da criança”, completou o delegado.

Rincón disse que a menina confirmou, em depoimento, os abusos. “Eu a ouvi, ela afirmou categoricamente que era abusada.”

“Ela já tinha falado para o pai, e ele disse ‘fica quieta e vai dormir, amanhã você esquece disso'”, disse o delegado.

O delegado ressaltou que a criança está abalada. “O laudo psicológico constatou que a menina apresenta traumas psicológicos. A criança está completamente perturbada”, relatou.

O Conselho Tutelar, informou não poder passar detalhes sobre o caso.

O homem foi levado para o Presídio de Hidrolândia, onde vai aguardar o andamento do processo. De acordo com o Código Penal, a pena para esse crime varia de 8 a 15 anos de prisão.

G1