X

Notícias

Padilha: reforma da Previdência não saiu de pauta e serão cumpridos os prazos

Geral, Política
-
23/05/2017 14:30

Em meio à grave crise política que atinge o presidente Michel Temer, o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, reforçou nesta terça-feira ,23, que o governo segue trabalhando e tem confiança de que a reforma da Previdência seguirá tramitando na Câmara.

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Legenda da foto

— A reforma da Previdência não saiu de pauta e serão cumpridos os prazos definidos pelo Congresso — disse.

Na segunda-feira (22), o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), anunciou que a reforma da Previdência começará a ser votada no plenário da Casa entre os dias 5 e 12 de junho.

Antes da delação do executivo da JBS, Joesley Batista vir a tona e causar uma das mais graves crises do governo Temer, entretanto, a previsão inicial era de que a reforma poderia ser apreciada nesta semana na Casa. Por se tratar de uma mudança na Constituição, a proposta precisa passar por duas votações no plenário e, para ser aprovada, precisa de pelo menos 308 votos favoráveis.

O governo tenta, como reação à crise, mostrar que segue trabalhando e quer que o Congresso aprecie medidas provisórias entre hoje e amanhã para dar ares de normalidade à gestão.

Prisão

Nesta terça, o governo foi atingido por mais uma crise, com a prisão do assessor especial do gabinete pessoal do presidente da República, Tadeu Filippelli (PMDB), por conta de investigações de fraudes e desvio de recursos das obras de reforma do Estádio Nacional Mané Garrincha para a Copa do Mundo de Futebol de 2014. Além de decidir exonerar o assessor, no Planalto, assessores do presidente tentam explicar que o motivo da prisão de Filippelli tem a ver com atos ocorridos antes de ele ter chegado ao Planalto, quando era do Governo do Distrito Federal.

Filippelli tinha um gabinete no terceiro andar no Palácio do Planalto, a poucos metros do presidente Temer.

Ele é o terceiro assessor de Temer a ser derrubado. Antes dele, José Yunes e Rodrigo Rocha Loures acabaram afetados por denúncias.

DC/Fronteira Online