X

Notícias

Raniel decide, Cruzeiro vence, segue no G-6 e afunda a Chape na zona de rebaixamento

Esportes
-
11/09/2017 14:54

Jovem é decisivo com um gol e uma assistência na vitória por 2 a 1 dos mineiros na Arena Condá. Verdão chega à sexta derrota em casa, é vaiada pelo torcedor e cai para 18º

Cruzeiro foi mais eficiente para vencer na Arena Condá (Foto: MARCIO CUNHA/ESTADÃO CONTEÚDO)
Legenda da foto

O brilho individual de um jovem fez a diferença a favor de quem já era coletivamente bem melhor do que o adversário. Raniel foi o nome da noite na Arena Condá. Com um gol e uma assistência, o centroavante mostrou que o Cruzeiro está bem servido para o jogo de volta da decisão da Copa do Brasil – Sobis está suspenso – e despachou a Chapecoense na neste domingo, pela 23ª rodada do Brasileirão. Rafinha completou o 2 a 1 para os mineiros – Tulio de Melo descontou – diante de um adversário que perdeu a força dentro de casa e a cada rodada deixa seu torcedor mais preocupado na luta contra o rebaixamento.

A vitória leva o Cruzeiro aos 34 pontos, mantendo-se no G-6 e só a um ponto do Flamengo. Agora, a Raposa volta para casa e recebe o Bahia, domingo, às 19h (de Brasília), no Mineirão. A Chape, por sua vez, perde um lugar no Z-4 e agora é 18ª, com 25. Domingo, o rival é o vice-líder Grêmio, às 11h, na Arena, em Porto Alegre. Antes, tem o Flamengo pela frente, quarta-feira, às 19h, em Chapeco, pelas oitavas de final da Copa Sul-Americana.

Primeiro tempo

Atitude de um lado, qualidade do outro. Prevaleceu quem sabe mais o que fazer com a bola nos pés. Alterada e com caras novas no meio, a Chape até tentou tomar as rédeas da partida diante de um adversário passivo nos minutos incisos. A presença no campo ofensivo, porém, não foi transformada em chances de gol e invariavelmente os lances terminavam nos já rotineiros cruzamento. E o Cruzeiro resolveu começar a jogar.

A partir da metade da etapa inicial, Rafinha, Henrique, Arrascaeta e Robinho chegavam com grande facilidade ao ataque e rondavam o de Jandrei. Diogo Barbosa pela esquerda avançava bem e o domínio passou a ser mineiro. A bola aérea da Chape funcionou com Tulio de Melo, que obrigou Fábio a fazer milagre. O Cruzeiro, por sua vez, via o gol amadurecer, até que Raniel serviu Rafinha pelo meio para limpar e marcar aos 46: 1 a 0 justo.

Segundo tempo

Sem tempo a perder, a Chape se mandou para o ataque como podia no início do segundo tempo. Era bola aérea, chute de longe, e Fábio trabalhando. O Cruzeiro, porém, tinha mais organização e eficiência nas saídas em contragolpe. Logo aos 18, Jandrei fez grande defesa em cabeçada de Leo, mas Raniel emendou de primeira no rebote para ampliar. A reação negativa nas arquibancadas foi imediata e alguns torcedores nas sociais chegaram a ir embora.

Mano Menezes trocou os jogadores cansados, mandou Thiago Neves, Alison e Sassá para campo, mas o Cruzeiro não encaixava os contra-ataques. A Chape ao seu jeito tentava respirar e diminuiu com Tulio de Melo, de cabeça, aos 38. Sete minutos de pressão? Nada. O Cruzeiro segurou a bola no ataque e garantiu o triunfo longe de Belo Horizonte.

Ge